Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

23 Outubro de 2009 | 18h22 - Actualizado em 23 Outubro de 2009 | 18h22

Partido no poder obtém maioria absoluta

Níger/Legislativas

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Niamey,  - O partido no poder no Níger obteve sem surpresa a maioria absoluta dos 113 assentos no parlamento nas legislativas de terça-feira, denunciadas pela comunidade internacional, segundo os resultados parciais públicos divulgados esta sexta-feira.  


   
Dos 100 assentos já atribuidos, o Movimento Nacional para a Sociedade de Desenvolvimento (MNDS, no poder) obteve 68, particularmente os seis na capital, segundo os os resultados divulgados pela televisão do Estado pelo presidente da Comissão eleitoral independente (CENI), Moumouni Hamidou.   

     
   
Quatro outras formações, todas próximas ao presidente Mamadou Tandja, serão também apresentadas no Parlamento na sequência dessas eleições boicotadas pela oposição: A junta social democrática e o progresso (RDP, 7 eleitos), o partido Alkalami e o partido nigerino das massas para o trabalho (PMT) com um assento cada um.   


   
Onze candidatos independentes foram igualmente eleito e a taxa de participação varia entre 18 e 80 por cento, segundo estas eleições. 


   
O presidente Tandja organizou terça-feira estas eleições  controversas, que poderão levar a suspensão automática do Níger da Comunidade Económica dos Estados de África do oeste (Cedeao) por violação dos textos comunitários sobre a democracia.  

        
   
A Cedeao afirmou que não reconhecerá os resultados desse escrutínio.


   
A União Europeia (UE) por sua vez reiterou hoje que suspenderá a sua cooperação se as autoridades do Níger não restaurarem a ordem constitucional alterada depois do referendo de 04 de Agosto de 2009 que permitiu a Tandja prolongar por três anos o seu mandato que expira em Dezembro de 2009, apesar das condenações tanto no Níger como no estrangeiro.