Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

16 Março de 2010 | 17h52 - Actualizado em 16 Março de 2010 | 18h37

PR inicia auscultação dos partidos para marcar eleições

São Tomé e Príncipe

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República de São Tomé e Príncipe

Foto: Angop/Foto divulgação

São Tomé - O presidente são-tomense, Fradique de Menezes deverá iniciar esta semana a auscultação aos partidos políticos, com vista a encontrar uma data de consenso para a marcação das eleições, disse à Lusa fonte da presidência da República. 

"Há essa possibilidade", disse o assessor de imprensa do chefe de Estado, Adelino Lucas, quando interrogado pela Lusa sobre se as auscultações aos partidos políticos se iniciariam ainda esta semana. 

 

Hoje, Fradique de Menezes recebeu o presidente da comissão eleitoral são-tomense (CEN), José Carlos Barreiros, que confirmou ao presidente da República estarem criadas as condições para a marcação das eleições. 

 

"Está todo o aparelho da comissão eleitoral nacional preparado e com os materiais necessários para a realização dos trabalhos do recenseamento eleitoral de raiz que se pretende fazer", disse José Carlos Barreiro, no final do encontro com o chefe de Estado. 

 

José Carlos Barreiro anunciou para o dia 28 deste mês o início dos trabalhos do recenseamento eleitoral, um processo que vai durar 70 dias, seguido de mais 15 a 20 dias para a publicação dos cadernos provisórios, consultas dos eleitores, possíveis alterações nos cadernos e publicação dos cadernos definitivos que antecedem a realização do escrutínio. 

 

O encontro hoje com o chefe de Estado segue-se a outro realizado na segunda feira entre o governo, representado pelo Primeiro-ministro, ministro dos Negócios Estrangeiros e da Administração Interna e Territorial, comissão eleitoral e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 

 

Falta definir se o presidente da República vai marcar apenas as eleições legislativas ou se incluirá também as autárquicas e regional, estas duas ultimas atrasadas desde Outubro passado.