Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

18 Abril de 2013 | 10h27 - Actualizado em 18 Abril de 2013 | 18h47

Morreu ex-primeiro-ministro santomense Carlos Graça

São Tomé e Príncipe

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

São Tomé - Morreu Carlos Alberto Monteiro Dias Graça, antigo primeiro-ministro santomense que faleceu em Portugal vitima de doença prolongada aos 82 anos de idade, soube-se a PANA, quinta-feira, de fonte oficial em São Tomé.
 

Carlos Graça, faleceu em Portugal onde nasceu em 1931,  e trabalhou muito tempo em Libreville, Gabão, na qualidade de medico pessoal do defunto Omar Dimba Bongo.
 

Na terra natal do seu pai, São Tomé, onde começou a lutar para independencia do arquipelago, as reações não se fizeram esperar.
 

O presidente santomense Manuel Pinto da Costa, reagiu a sua morte segundo disse que “  Carlos Graça foi um homem de principios e de convições, e que o pais perdeu um filho “ilustre”
 

Para o primeiro ministro Gabriel Costa, a morte do defunto Carlos Graça, é uma grande perda para o país, tendo dito que o arquipélago ficou mais pobre e endereço as suas condulencias a familia enlutada.
 

Carlos Graça, participou nos primeiros passos da fase organizada da luta de libertação nacional desde 1961 no comite de libertação de são tomé e principe(CLSTP) em Libreville(Gabão), e foi confudador do mivimento de libertação de são Tomé e Príncipe(MLSTP) em Malabo Guiné Equatorial.
 

Ministro da saúde e dos assuntos sociais no governo de transição e nos primeiros governos após a independencia, é o primeiro dissidente da ditadura marxista-leninista e acusado de preparar uma invasão com mercenarios a partir do Gabão, foi condenado a revelia a 24 anos de trabalhos forçados pelo “tribunal para actos contra revolucionarios”
 

Dada a mudança ideologica no país, foi convidado pelo presidente santomense Manuel Pintob da Costa, a regressar para conduzir como ministro dos negocios estrangeiros a nova politica externa de abertura e não alinhamento.
 

Com a democracia multipartidaria é eleito para aasumir a liderança(1990-1996) do partido MLSTP, transformado em partido social democrata e, vencedor das eleições legislativas em 1994, ocupa o posto de primeiro-ministro, chefe do governo.
 

Mais tarde retirou-se da chefia do governo e do MLSTP/PSD para concorrer ás eleições presidenciais de 1996.