Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

09 Abril de 2015 | 19h50 - Actualizado em 09 Abril de 2015 | 19h48

Guiné Equatorial: Presidente destitui a direcção da Universidade Nacional

Malabo - O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, destituiu a direcção da Universidade Nacional da Guiné Equatorial (UNGE), 24 dias depois de um protesto estudantil, ocorrido em Malabo, que exigia a atribuição equitativa de bolsas de estudo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da GuinÉ Equatorial Teodoro Nguema

Foto: Miudo

 

Mais de quatro dezenas de jovens foram presos na manifestação, mas foram libertados na passada segunda-feira. Durante o protesto, os universitários tinham cartazes que pediam "bolsas para todos" e "ou pagam a todos ou não pagam a ninguém".

A destituição na noite de quarta-feira do reitor, Carlos Nze Nsuga, e dos vice-reitores Pedro Ndong Asumu e Manuela Roca Botey, aconteceu depois da reunião de Obiang com os estudantes na terça-feira, segundo publicou nesta quinta-feira o Escritório Equato-guineense de Informação e Imprensa, ligado ao Governo.

O chefe de Estado nomeou como novo reitor Felisberto Ntutumu Nguema Nchama, que até agora era o embaixador extraordinário e plenipotenciário da Guiné Equatorial na Rússia.

O novo reitor foi ministro da Educação e Ciências em 2010, um ano depois de deixar o cargo de secretário-geral do Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE), no Governo.

A fonte assinala que Obiang, no poder desde Agosto de 1979, visitou a UNGE na terça-feira para "dialogar com os estudantes e obter informações, em primeira mão, sobre a origem dos problemas que nos últimos meses conheceu esta instituição académica".

Na reunião, Obiang recordou aos universitários que o seu executivo "fixou um incentivo, não uma bolsa de estudo, para estudantes com notas altas e para estudantes cujas

famílias são carentes de meios económicos suficientes para suportar os gastos de uma educação universitária".

O chefe de Estado também informou aos estudantes que, a partir deste momento, a comissão encarregada do pagamento destes incentivos será composta por representantes da Presidência da República, membros da UNGE e do Ministério da Educação e Ciências.

Assuntos Guiné-Equatorial  

Leia também