Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

28 Novembro de 2017 | 12h38 - Actualizado em 28 Novembro de 2017 | 12h37

Rwanda: Campanha de destruição de 130 toneladas de armas e munições expiradas

Kigali - Uma campanha de destruição de 130 toneladas de armas expiradas foi lançada segunda-feira no Rwanda, no quadro dos seus esforços para lutar contra a proliferação destas armas ligeiras e de pequeno calibre, uma das maiores ameaças à segurança nos países da região da África Oriental, soube a PANA de fonte segura em Kigali.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O secretário executivo do Centro Regional sediado em Nairobi (Quénia) sobre as Armas de Pequeno Calibre na Região dos Grandes Lagos, no Corno de África e nos Estados Vizinhos (RECSA), Theoneste Mutsindashyaka, explicou que esta operação que se realiza actualmente nas casernas de Gabiro (noroeste).
 
Indicou que a mesma consiste em incinerar todas as munições e todos os explosivos expirados, em conformidade com o Tratado sobre a Não Proliferação das Armas Ligeiras e Pequeno Calibre (ALPC).

Acrescentou que, o programa prioriza a execução de acções tangíveis que culminam numa redução duradoura das armas ligeiras e de pequeno calibre na região.
 
Peritos afirmam que a proliferação actual e o tráfico ilícito das armas de pequeno calibre provocam ainda sofrimentos humanos, favorecem a criminalidade, exacerbam os conflitos e estorvam os esforços de reconciliação e de consolidação da paz, minando o desenvolvimento socioeconómico da África Oriental e da Região dos Grandes Lagos.
 
Últimos relatórios indicam que o Rwanda recenseou 421 crimes cometidos com armas entre 2010 e Março de 2016, o que constitui o número menos elevado da região comparativamente a quatro Estados da África Oriental mencionados no inquérito, designadamente o Burundi, a Tanzânia o Uganda e o Quénia.
 
Assim, a Tanzânia registou nove mil 646 casos, o Quénia 12 mil 877, enquanto o Burundi e o Uganda completam a lista com respectivamente 26 mil e 41 e 34 mil 512, lê-se no documento.
 
Os membros actuais do RESCA são o Rwanda, o Quénia, o Burundi, a Tanzânia, a Etiópia, a Somália, a República Centro -africana, o Congo, a República Democrática do Congo (RDC), o Djibuti, a Eritreia, as ilhas Seicheles, o Sudão, o Uganda e o Sudão do Sul.

Assuntos Desarmamento  

Leia também
  • 24/10/2018 18:30:02

    Gâmbia: CEDEAO avalia posse de armas ligeiras no país

    Banjul - A Comunidade Económica dos Estados da África do Oeste (Cedeao), entregou nesta quarta-feira, ao governo da Gâmbia, uma avaliação que confirmou a posse excessiva de armas ligeiras entre a população, acumuladas durante a administração do anterior presidente, Yahya Jammeh, noticiou a Prensa Latina.