Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

07 Dezembro de 2017 | 15h33 - Actualizado em 07 Dezembro de 2017 | 15h33

Guiné-Bissau: Polícia proíbe manifestação de partidos de oposição

Bissau - Uma marcha de 18 partidos de oposição que contestam o Presidente guineense, José Mário Vaz, foi proibida hoje pela polícia da Guiné-Bissau, alegando o cumprimento de ordens da Procuradoria-Geral da República, disse à Lusa fonte da corporação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

foto de manifestação em bissau (foto de arquivo)

Segundo a fonte, a marcha convocada por 18 partidos, não pode ter lugar na sequência da ordem emitida pelo novo Procurador-Geral guineense, Bacari Biai, segundo a qual, a Constituição do país "não prevê a realização de manifestações a qualquer momento".

Numa nota emitida no dia 02 de Dezembro de 2017, o Procurador guineense, citando a Constituição do país, ressalvou que "os cortejos e desfiles de cidadãos só são permitidos aos domingos e feriados" e aos sábados "a partir das 13 horas e em dias úteis só depois das 19 horas".

Alguns dirigentes e activistas de partidos ainda tentaram juntar-se na localidade de Chapa de Bissau, a três quilómetros do centro da capital, de onde partiria a marcha, mas rapidamente foram mandados dispersar pela polícia.

O jornalista Assana Sambu, do jornal "O Democrata", indicou à Lusa ter sido impedido pela polícia de registar as imagens, sob o pretexto de não ter autorização do ministério do Interior.

Dois líderes partidários presentes no local, Agnelo Regalla e Nuno Nabian, disseram aos jornalistas que a medida da polícia "é ilegal" e que o Presidente guineense, José Mário Vaz, e o "seu Governo serão responsabilizados perante a comunidade internacional".

"Eles que entendam que, de certeza absoluta, serão objecto de sanções pela comunidade internacional", sublinhou Agnelo Regalla, líder do partido União para Mudança.

Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta das últimas eleições presidenciais e actual líder do partido Assembleia do Povo Unido - Partido Social Democrata (APU-PDGB), afirmou que a "democracia está ameaçada" na Guiné-Bissau, mas que os partidos da oposição "não vão baixar os braços".

O colectivo de partidos que fazem oposição ao Presidente guineense anunciou que vai realizar marchas em Bissau entre hoje e sexta-feira, bem como nos próximos dias 14 e 15.

Os dois dirigentes que se encontravam na Chapa de Bissau anunciaram que vão indicar aos cidadãos quais as medidas a serem tomadas "para continuar a luta contra a ditadura" ainda que não pretendam "colocar em causa a paz" no país.

Na quarta-feira, momentos antes de embarcar para uma visita de 24 horas ao Senegal, o Presidente guineense, José Mário Vaz, afirmou que a solução para os problemas da Guiné-Bissau "deve ser encontrada pelos cidadãos" do país.

Assuntos Guiné-Bissau  

Leia também