Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Dezembro de 2017 | 19h20 - Actualizado em 07 Dezembro de 2017 | 10h41

Nigéria: Confiscadas novas propriedades da antiga ministra do Petróleo

Lagos - Dois apartamentos "penthouses" avaliados em vários milhões de dólares pertencentes a antiga ministra nigeriana do petróleo, Diezani Alison-Madueke, foram confiscados em Lagos num novo caso de corrupção envolvendo pessoas próximas ao ex-presidente Goodluck Jonathan.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

vista de um ângulo da cidade de lagos , capital económica da nigéria

Foto: DERRICK CEYRAC

Um juiz do Supremo Tribunal Federal de Lagos ordenou terça-feira que os apartamentos fossem confiscados pela Comissão de Crime Económicos e Financeiros (EFCC) durante a investigação, soube-se junto do tribunal.

Alison-Madueke, que actuou como ministra do antigo presidente Jonathan até 2015 é a primeira mulher a dirigir a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), está no centro de várias investigações de lavagem de dinheiro e corrupção nos EUA, no Reino Unido e ainda na Itália.

Ela está actualmente em liberdade sob caução em Londres depois de ter sido presa no quadro da investigação britânica sobre um enorme escândalo de corrupção internacional. Em Setembro, um tribunal ordenou a Londres que congelasse cinco propriedades de luxo relacionadas a Alison-Madueke.

Aos 57, ela também é uma das principais figuras visadas pela cruzada anti-corrupção do actual chefe de Estado, Muhammadu Buhari.

As duas propriedades em questão, avaliadas em 4,8 milhões de dólares (quatro milhões de euros), estão localizadas em dois bairros luxuosos de Lagos, a capital económica da Nigéria. A investigação da EFCC visa determinar se eles foram comprados com dinheiro desviado.

Várias casas e apartamentos pertencentes a ele já foram confiscados pela justiça nos últimos meses.

Em Outubro, a ex-ministra viu confiscada vários imóveis em Lagos, Abuja e Port Harcourt (sudeste), avaliados em 2,6 biliões de naira (6,1 milhões de euros), adquiridos através de empresas às quais ele e um dos seus primos, Donald Chidi Amamgbo, faziam parte.

Em Agosto, um juiz também ordenou a apreensão de uma propriedade de luxo no valor estimado de 37,5 milhões de dólares numa zona muito rica de Banana Island em Lagos.

No último caso, Donald Chidi Amamgbo é direccionado directamente a Alison-Madeueke e a duas empresas como donos das casas das penthouses.

De acordo com provas preliminares, a compra foi feita por Angela Jide-Jones, cujo marido é um próximo colaborador da ex-ministra, que foi objecto de investigações na Nigéria e nos Estados Unidos - e a empresa Atlantic Drilling Concept Limited, a sua sociedade familiar.

Assuntos Nigéria  

Leia também
  • 06/12/2017 17:25:15

    Nigéria: Presidente Buhari visita pela primeira vez Estado de Kano

    Kano (Nigéria) - O presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, efectuou nesta quarta-feira, a sua primeira deslocação na qualidade de estadista ao Estado de Kano, a maior cidade do país, uma viagem rodeada de especulações sobre a sua real intenção de concorrer para um segundo mandato em 2019, noticiou a AFP.

  • 05/12/2017 11:33:55

    Nigéria: Suíça restitui ao governo nigeriano fundos desviados por Abacha

    Abuja - A Suíça anunciou segunda-feira em Genebra que vai restituir à Nigéria cerca de 321 milhões de dólares (270 milhões de euros) desviados pelo antigo governo de Sani Abacha.

  • 04/12/2017 11:00:43

    Nigéria: Mil e 295 nigerianos regressam voluntariamente da Líbia

    Abuja - Mil e 295 nigerianos que rumavam para a Europa regressaram voluntariamente ao seu país, provenientes da Líbia, onde estavam retidos, anunciou no fim-de-semana o director-geral da Agência Nacional Nigeriana para a Gestão das Emergências (Nema), Alhaji Mustapha, à PANA.