Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

19 Maio de 2017 | 18h43 - Actualizado em 19 Maio de 2017 | 18h43

Guiné-Bissau: UE apela à contenção e a cumprimento de prazo da CEDEAO

Bruxelas - A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, apelou esta sexta-feira aos responsáveis na Guiné-Bissau para que evitem qualquer acção fora da ordem constitucional e do primado da lei e cumpram as recomendações da CEDEAO.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Federica Mogherini - Chefe da diplomacia da UE

Foto: John This


Num comunicado divulgado pelo serviço de imprensa, Mogherini salientou que a missão da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) na Guiné-Bissau, que a UE apoia desde 2014, está em "processo de retirada gradual do país", pedindo a
"todos os envolvidos que se abstenham de prestar declarações públicas e evitem qualquer acção fora da ordem constitucional e do primado da lei".

"A UE espera que as forças de defesa e de segurança não intervenham na crise política", sublinhou.

A chefe da diplomacia da UE apelou também ao cumprimento do prazo dado, em Abril, pela CEDEAO para a aplicação das directrizes do Acordo de Conacri que, no essencial, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no Parlamento.

"É importante que todos os actores políticos no país se empenhem no cumprimento do prazo de 30 dias" dado, em 25 de Abril, pela CEDEAO para a aplicação das directrizes do Acordo de Conacri.

O comunicado refere ainda que "os indivíduos que impeçam a aplicação do Acordo de Conacri devem ser responsabilizados".

O referido acordo foi assinado em Outubro de 2016 por diferentes actores políticos guineenses, para resolver a crise no país e se não for aplicado no prazo previsto, a CEDEAO poderá avançar com sanções.

Assuntos Política  

Leia também