Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

17 Julho de 2017 | 11h29 - Actualizado em 17 Julho de 2017 | 13h51

RD Congo: Exército retoma controlo de localidade estratégica do leste

Goma - O exército congolês declarou domingo ter retomado o controlo de uma localidade estratégica do leste da República Democrática do Congo (RDC) após um dia de ocupação por uma milícia local, em combates que deixaram sete mortos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Foto: ANGOP

"A localidade foi retomada pelas FARDC (Forças armadas da RDC) na noite de sábado, expulsamos eles de Kipese e seguidamente o exército procederá a limpeza", declarou um dos porta-vozes do exército congolês no Kivu-Norte, o tenente Jules Tshikudi, adiantando que "a caça aos homens estende-se até aos arredores de Kipese".

"O balanço dos confrontos pela retomada da localidade de Kipese é dois soldados mortos após ferimentos e cinco mortos do lado dos Mai-Mai", acrescentou o oficial.

A localidade Kipese, que fornece alimento ao maior centro comercial de Butembo (leste), habitada por um milhão de pessoas, esteve vazia no domingo.

A milícia local Mai-Mai Mazembe assumiu sábado o controlo de Kipese, igualmente considerada como a porta de entrada para Lubero-Centro, na província do Kivu-Norte.

Desde meados de Junho, vários grupos Mai-Mai tentam controlar os locais estratégicos do leste da RDC, defrontando o exército regular com armas pesadas e ligeiras, segundo as autoridades locais e o exército.

Os Mai-Mai são grupos de "auto-defesa" constituídos sobre uma base essencialmente étnica. Durante a Segunda Guerra do Congo (1998-2003), muitos desses grupos foram potenciados em armas pelo governo para lutar contra os invasores ugandeses ou rwandeses. Após este período, muitos nunca se desarmaram.

O leste congolês, constelado com grupos armados nacionais e estrangeiros, está dividido por mais de duas décadas de conflitos armados, alimentados por diferendos étnicos e de terras, disputa pelo controlo dos recursos minerais da região e rivalidades entre as potências regionais.

Assuntos RDCongo  

Leia também