Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

17 Julho de 2017 | 16h23 - Actualizado em 17 Julho de 2017 | 16h22

RDCongo: Milícias raptam dois sacerdotes da diocese de Beni-Butembo

Goma - Dois sacerdotes da diocese de Beni-Butembo foram raptados na madrugada desta segunda-feira, por milícias ainda desconhecidos no leste da República Democrática do Congo (RDC), soube-se de fontes concordantes, citadas pela AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Foto: ANGOP

Tratam-se de Charles Kipasa e Jean-Pierre Akili, da paróquia de Maria do reino dos Anjos de Bunyuka, raptados na madrugada desta segunda-feira, pelos Mai-Mai que os conduziram em direcção (as montanhas), tendo sido levados também duas viaturas e duas motos, segundo o bispo de Beni-Butembo, no Norte-Kivu, Paluku Sikuli.

Por seu turno, o administrador do território de Béni, Amisi Kalonda, confirmou o rapto dos dois missionários afectos a paróquia de Bunyuka, por elementos desconhecidos, acrescentando que os serviços de defesa e segurança estavam no encalço dos raptores.

Os sequestros são frequentes nesta parte da RDC, onde os conflitos inter-comunitários entre Nande, Hunde de um lado e os Hutu do outro, são comuns.

Os dois padres raptados são de etnia Nande.

Em 2012, neste território do Norte-Kivu, três sacerdotes foram raptados próximo de Beni por presumíveis rebeldes muçulmanos ugandeses da Aliança das Forças democráticas (ADF), cujo paradeiro é desconhecido até ao momento.   

Os Hutu, de origem rwuandês, são considerados como estrangeiros pelas comunidades que se consideram como "autóctones", como os Nande, os Hunde ou os Kobo, maioritários na região do Norte-Kivu, onde reinam as rivalidades ancestrais em torno das terras e das riquezas.

Os Mai-Mai são grpos de auto-defesa constituídos por uma base essencialmente étnica.
Durante a segunda guerra do Congo (1998-2003), vários desses grupos foram armados pelo poder para lutar contra os combatentes ugandeses ou rwandeses. Alguns destes jamais foram desarmados.

O leste da RCD, rico em minerais preciosos, é uma região instável há vinte anos. Dezenas de grupos armados locais e estrangeiros têm cometido abusos graves contra os civis, marcados  por assassinatos, violações e raptos, por razoes étnicas, fundiárias ou económicas.    

Assuntos RDCongo  

Leia também