Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

31 Agosto de 2017 | 13h04 - Actualizado em 31 Agosto de 2017 | 13h04

Mauritânia: Morreu antigo PM mauritaniano

Nouakchott - O ex-primeiro-ministro mauritaniano, Sid’Ahmed Ould Bneijara, em funções de 1980 a 1981, sob o governo do coronel Mohamed Khouna Ould Haidallah, faleceu na Espanha vítima de doença prolongada, anunciou quarta-feira a imprensa local, citando fontes seguras.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

mapa da Mauritânia

Foto: pesquisa

Após a sua passagem pela Primatura, Sid’Ahmed Ould Bneijara foi detido por "conspiração" contra o então governo de Haidallah e encarcerado por um longo período.

Enquanto chefe do Governo, a Mauritânia registou uma sangrenta tentativa de golpe de Estado perpetrada por um comando de 30 homens a mando do coronel Mohamed Ould Bah Ould Abdel Kader.

Na época, a Mauritânia acusou o Marrocos de ter apoiado a operação.

Assuntos Mauritânia  

Leia também
  • 16/08/2017 17:45:22

    Mauritânia: Novo texto constitucional suprime Senado

    ^Nouakchott - O presidente mauritaniano, Mohamed Ould Abdel Aziz, promulgou terça-feira, em Nouakchott, a reforma constitucional saido do referendo de 05 de Agosto, adoptado por uma larga maioria e suprimindo o Senado, declarou a imprensa, o porta-voz do governo, citado pela AFP.

  • 11/08/2017 10:43:48

    Mauritânia: Ex-senador mauritaniano proibido de sair do país

    Nouakchott - Mohamed Ould Ghadda, membro do Senado suprimido na sequência do referendo constitucional de 05 de Agosto, na Mauritânia, foi proibido quinta-feira de sair do território nacional, relatam várias fontes concordantes.

  • 06/08/2017 13:52:18

    Mauritânia: Cidadãos votam em referendo constitucional

    Nouakchott - Os mauritanianos votaram sábado num clima tranquilo no referendo constitucional que prevê particularmente a abolição do Senado, que o presidente Mohamed Ould Abdel Aziz se manifestou confiante em vencer "largamente", enquanto uma parte da oposição apelava ao boicote da votação.