Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Setembro de 2017 | 18h26 - Actualizado em 13 Setembro de 2017 | 18h38

Tanzânia: Presidente admite incapacidade de mandar executar pena de morte

Dar-es-Salam - O Presidente tanzaniano, John Magufuli, admitiu a sua incapacidade de mandar executar a pena de morte que embora essa penalidade seja legal naquele país vizinho de Moçambique.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

John Magufuli - Presidente da Tanzânia (foto de arquivo)

Foto: Daniel Hayduk

O Chefe do Estado tanzaniano fez a declaração durante a cerimónia de tomada de posse do Presidente Tribunal Supremo da Tanzânia, Ibrahim Hamis Juma, afirmando, que não tenciona tomar a “decisão difícil” de mandar executar assassinos condenados.

“Eu sei que há pessoas que foram condenadas por assassinato e aguardam a pena de morte, mas não me tragam a lista para tomar a decisão, porque sei o quão difícil é executar' condenados, sublinhou o líder tanzaniano.

O Código Penal da Tanzânia estipula a pena capital para crimes graves, tais como assassinato e alta traição.

De acordo com o Centro Legal e dos Direitos Humanos (LHRC), uma organização não-governamental tanzaniana, 472 pessoas foram condenadas à morte em 2015, incluindo 20 mulheres.

A directora executiva da LHRC, Hellen Kijo-Bisimba, congratulou a posição assumida por Magufuli, mas exigiu que ele também tome a decisão de abolir a pena de morte.

“Precisamos de abolir esta pena porque não pode ser implementada. Neste caso, seria mais sensatos os juízes mudarem a pena de morte para prisão perpétua ou mais de 30 anos”, disse Bisimba, citada pelo jornal tanzaniano “Azania Post”.

Apenas cerca de 20 países africanos aboliram a pena de morte. O Egipto, Líbia, Nigéria, Somália e o Sudão constam da lista de países que ainda aplicam a pena capital.

A última execução na Tanzânia teve lugar em 1994.

Assuntos Tanzânia  

Leia também