Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Outubro de 2017 | 12h58 - Actualizado em 06 Outubro de 2017 | 12h58

Somália: Refugiados somalis no Yémen começam a voltar ao país

Dubai - Os somalis que encontraram refúgio no Yémen após terem fugido das violências começaram a regressar ao país devido à guerra, à cólera e ao risco de fome no país de acolhimento, anunciou quinta-feira uma agência da ONU.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DA SOMÁLIA

Foto: divulgação

A ONU estima em 256 mil o número de somalis a viver em campos de refugiados no Yémen, país em guerra desde 2015.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), cerca de 10 mil somalis procuram actualmente regressar ao seu país.

Dois barcos fretados pelo ACNUR e pela Organização Internacional para as Migrações (IOM) deixaram já o porto de Aden, no sul do Yémen, com destino ao porto somali de Berbera, a cerca de 200 km a sul. Um terceiro navio deverá partir em Outubro corrente, segundo o ACNUR.

"No total, 284 refugiados somalis regressaram do Yémen nas últimas três semanas", precisou quinta-feira à AFP a porta-voz do ACNUR, Shabia Mantoo.

"Trata-se de um processo contínuo. O seu financiamento total não esta ainda assegurado, mas continuará em 2018", disse.

Apesar do conflito no Yémen, cerca de 55 mil migrantes deixaram o Corno de África para o Yémen desde o início do ano, segundo a OIM.

Este fluxo não parou mesmo com a epidemia de cólera que causou mais de 2.100 mortes desde Abril, segundo o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Em Agosto, 50 migrantes somalis e etíopes morreram afogados depois de terem sido lançados ao mar por contrabandistas perto da costa iemenita.

Desde 2007, os al-Shebab islâmicos lutam para derrubar o governo, apoiado pela comunidade internacional.

No Yémen, o conflito deixou mais de 8.500 mortos desde 2015, data em que uma coligação liderada pela Arábia Saudita interveio militarmente neste país em apoio ao governo que luta contra os rebeldes.

O conflito colocou 17 milhões de pessoas à beira da fome. As Nações Unidas falaram de "pior crise humanitária no mundo".

Assuntos Somália  

Leia também