Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

07 Outubro de 2017 | 00h40 - Actualizado em 07 Outubro de 2017 | 00h40

Sudão: EUA vão suspender algumas sanções comerciais impostas ao país

Washington - Os Estados Unidos vão retirar algumas das sanções económicas impostas ao governo sudanês, anunciaram sexta-feira funcionários do governo do presidente Donald Trump.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

            
O Sudão permanecerá na lista negra de Estados que apoiam o terrorismo e algumas sanções permanecerão em vigor, mas o regime avançou para acabar com as atrocidades cometidas no país, disseram as fontes.

"Os Estados Unidos decidiram revogar formalmente algumas sanções económicas centradas no Sudão", disse um funcionário a repórteres,
explicando que é "em reconhecimento das acções positivas adoptadas pelo governo sudanês em cinco áreas-chave".

De acordo com uma declaração da porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, tais sanções serão retiradas até o final da próxima semana, 12 de Outubro.

As fontes explicaram que o regime sudanês manteve o cessar-fogo nas regiões de Darfur, Kordofan Oriental e Nilo Azul.

Além disso, melhorou o acesso humanitário às áreas que estavam em conflito e parou os seus esforços para desestabilizar o Sudão do Sul, que se tornou independente em Julho de 2011.
               
De acordo com as mesmas fontes, a cooperação antiterrorista entre os Estados Unidos e o Sudão também melhorou.
               
As relações entre os dois países melhoraram muito durante a administração de Barack Obama (2009-2017), que em Janeiro suavizou as
sanções impostas em 1997 com a intenção de levantá-las completamente depois de revisá-las seis meses depois.

Em Julho, Trump adiou a revisão para o dia 12 de Outubro, o que irritou o presidente sudanês, Omar al Bashir.

Assuntos Política  

Leia também