Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

23 Outubro de 2017 | 13h30 - Actualizado em 23 Outubro de 2017 | 13h30

Guiné-Bissau: União Nacional dos Imãs alerta sobre radicalismo religioso no país

Bissau - O presidente da União Nacional dos Imãs da Guiné-Bissau, Bubacar Djaló, alertou domingo, em entrevista à agência Lusa, para a existência de radicalismo religioso no país trazido por estrangeiros.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DA GUINÉ-BISSAU

Foto: divulgação

"De facto há aqueles que vêm de fora e que estão a incutir o radicalismo na cabeça dos filhos da Guiné-Bissau, aproveitando-se da pobreza e da falta de formação", disse Bubacar Djaló, quando questionado pela Lusa sobre a existência de radicalismo islâmico.

Segundo o imã, algumas daquelas pessoas "não sabem três palavras (do islão) mas já se assumem como conhecedores".

"Nem sabem peneirar qual a visão de um lado e do outro, não sabem respeitar as opiniões dos outros, apenas admitem as suas próprias opiniões, aquilo que aprenderam, mas não é isso a visão do islão", salientou.

Bubacar Djaló explicou que aqueles estrangeiros chegam ao país e como não conseguem apresentar-se publicamente à comunidade "usam os filhos da Guiné-Bissau, por serem pouco instruídos na religião, para os dividir". 

"Recorrem às pessoas agressivas nas comunidades, pessoas facilmente 'aliciáveis', usam-nas para os seus fins. Estamos a tentar estancar tudo isso para ver se vamos conseguir fazer reinar aquele espírito de patriotismo da nossa terra", afirmou, salientando que, se existe islão moderado, não há motivo para haver um islão radical.

Bubacar Djaló sublinhou também que pretende que a Guiné-Bissau seja um interlocutor no mundo para mostrar que o islão no país é uma "coisa filtrada, não uma coisa suja que ninguém sabe a origem e a finalidade".

Sobre informações que dão conta da entrada de salafistas (radicais islâmicos) do Mali, Guiné-Conakry e Mauritânia, o líder dos imãs da Guiné-Bissau disse "não ter dúvidas sobre isso".

"Apenas não têm campo de manobra para se mostrarem, mas uma coisa é certa: nunca uma sementeira é posta na terra, no solo, para dar resultado no mesmo dia", alertou.

O imã disse que aquelas pessoas já se encontram na Guiné-Bissau e que estão a dar ensinamentos e que só não sabe "quando é que os ensinamentos vão dar resultados".

"Não podemos acabar com isso, porque existe em toda parte do mundo, mas podemos fazer com que não tenha progresso na sociedade, tudo isso depende da colaboração entre o Estado e os religiosos", salientou.

O líder dos imãs guineenses também disse estar preocupado com a proliferação de mesquitas no país.

"Hoje constatamos que há mesquitas a serem construídas em locais onde não há necessidade para tal. Há casos em que novas mesquitas são construídas ao lado das nossas velhas mesquitas, o que acaba por dividir a comunidade, com uns a irem à mesquita nova e outros à mesquita antiga", disse.

Isso, segundo Bubacar Djaló, cria desobediência, porque uns dão ouvidos a um líder e outros dão ouvidos a um outro líder da mesma comunidade.

"Por exemplo quem obedecia a um imã passa a ser ele mesmo imã. Começa a dizer que tem a sua autonomia para decretar coisas. A pior situação que existe hoje em dia na nossa comunidade é a proliferação de mesquitas na Guiné-Bissau. É uma coisa que nos deixa chateados. Estamos a ver mesquitas por todo lado sem saber de onde vem o financiamento, quem é que é o autor desses financiamentos", alertou.

Assuntos Guiné-Bissau  

Leia também