Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

03 Fevereiro de 2018 | 10h35 - Actualizado em 03 Fevereiro de 2018 | 15h18

Macron e Rihanna lideram conferência para financiar educação

Dacar - A comunidade internacional se comprometeu nesta sexta-feira (2), em Dacar, Senegal, a dar um novo impulso à ajuda para facilitar o acesso das crianças à educação, especialmente na África, um gesto saudado pela cantora Rihanna.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente Francês, Emmanuel Macron e a cantora Rihanna lideram Conferência para financiar educação

Foto: PHILIPPE WOJAZER

O Global Partnership for Education (GPE) reuniu vários chefes de Estado africanos, governos e o sector privado em um encontro co-presidido por França e Senegal, e espera arrecadar 3,1 biliões de dólares (2,5 biliões de euros) nos três próximos anos para fornecer educação a 870 milhões de crianças em todo o mundo que não vão à escola.
               
O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou um maior compromisso de seu país neste programa até os 200 milhões de euros (250 milhões de dólares), diante dos 17 milhões do período 2014-2017.
               
É quase a mesma quantidade que Rihanna, embaixadora do GPE, lhe havia pedido.
              
"Obrigada, @EmmanuelMacron, por se oferecer para organizar a Conferência de Financiamento do @GPForEducation em Dacar! A França prometerá amanhã 250 milhões de euros?", tuitou na quinta-feira a cantora de Barbados, a quarta pessoa mais seguida no Twitter, com 86 milhões de usuários.
               
Da tribuna, Rihanna saudou os "enorme progressos" registados em Dacar. "Trata-se de um combate que nunca deixaremos de lutar até que cada menino, cada menina, tenha acesso à educação", prometeu.
               
O montante total das doações anunciadas poderia representar cerca de 2,7 biliões de dólares, embora vários países, como a Alemanha, ainda não tenham declarado sua ajuda. O GPE poderia alcançar o seu objectivo de aumentar seus fundos em 50%, após os dois bilhões de dólares arrecadados em 2014-2017.
               
"Mas 3,1 biliões de dólares não é suficiente. Precisaríamos do dobro, do triplo", declarou à AFP a diretora do fundo da ONU para a infância, o Unicef.
               
Em sua intervenção, Emmanuel Macron solicitou que a ajuda seja dedicada especialmente à educação das meninas. "Em todos os lugares nos quais se promove o obscurantismo e se faz retroceder a democracia, as meninas é que são retiradas da escola", apontou.
               
Cerca de 264 milhões de crianças e jovens em idade escolar não recebem nenhum tipo de educação devido à pobreza, os conflitos e as barreiras sociais, segundo o Unicef.
               
A taxa de alfabetização na África subsaariana está em torno de 65%, segundo a agência da ONU para a cultura, a Unesco, mas as meninas saem perdendo de longe.
   
   

Assuntos Educação   Financiamento  

Leia também
  • 04/10/2017 07:09:16

    Congo: Dezanove mil professores são precisos para ano lectivo 2017-2018

    Brazzaville - O Congo regista um défice de quase 19 mil professores para o ano lectivo 2017-2018, revelou esta terça-feira o ministro congolês do Ensino Primário e Secundário para a Alfabetização, Anatole Collinet Makosso, informou a PANA.

  • 06/07/2017 13:17:02

    Moçambique: Governo pretende reorganizar níveis de ensino

    Maputo - O Governo de Moçambique vai propor uma reorganização dos níveis de ensino no país para que as crianças possam fazer todo o ensino primário sem mudar de escola, anunciou a tutela.

  • 06/07/2017 11:27:13

    Mali: Bamako acolhe 11 bienal fotográfica

    Bamako - A 11ª edição dos Encontros da Fotografia Africana ou Bienal Africana da Fotografia decorrerá de 2 de Dezembro de 2017 a 31 de Janeiro de 2018 em Bamako, soube a PANA quarta-feira junto do Ministério maliano da Cultura.