Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Dezembro de 2018 | 03h59 - Actualizado em 06 Dezembro de 2018 | 03h58

PM guineense garante no Parlamento recenseamento transparente e eleições justas

Bissau - O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, garantiu quarta-feira no parlamento que o recenseamento eleitoral decorre de forma transparente e que as eleições legislativas serão realizadas de forma justa e livre, refutando suspeitas de vários partidos do país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Respondendo às interpelações dos deputados, Aristides Gomes aproveitou para esclarecer várias dúvidas sobre o andamento do recenseamento eleitoral e garantir que "tudo decorre dentro da lei" e disse que quem tiver dúvidas poderá contactar o Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (Gtape).

Quanto à data das eleições, o primeiro-ministro guineense disse que será anunciada oportunamente pelo chefe do Estado, José Mário Vaz, e que os cidadãos irão votar para escolher um novo Governo.

O presidente do parlamento, Cipriano Cassamá, agradeceu o facto de Aristides Gomes ter respondido aos apelos dos deputados, enalteceu a forma como esclareceu as dúvidas, mas pediu que tudo seja feito para as eleições legislativas "não passem do mês de Janeiro" de 2019.

A ocasião serviu igualmente para o primeiro-ministro esclarecer sobre as diligências junto dos sindicatos de professores para os demover da greve em curso e que tem impedido a abertura das escolas públicas.

Aristides Gomes disse ser difícil o entendimento entre o Governo e os professores, já que os sindicatos têm recusado todas as propostas apresentadas e que poderiam levar ao levantamento da suspensão laboral.

"Se fosse só uma greve cuja motivação era reclamar salários em atraso já havia uma solução, mas como a greve tem motivações políticas é difícil o entendimento com os sindicatos", notou Gomes.

O primeiro-ministro guineense aproveitou para explicar o significado das suas palavras, bastante criticadas no país, quando considerou a greve dos professores como selvagem.

"Disse que é uma greve selvagem porque os sindicatos não estão a respeitar as leis de greve. Nunca vi uma greve por tempo indeterminado, uma greve por 21 dias renováveis", afirmou Aristides Gomes.

O líder do Governo guineense defendeu que tem sido alvo de vários ataques de forma injustificada, por parte de sindicatos e de setores políticos, mas sublinhou que compreende a natureza das investidas.

"Como dizia um célebre treinador do Benfica, Otto Gloria, a melhor defesa é o ataque. Atacas para não seres atacado, mas isso não te deixa vacinado", avisou Aristides Gomes, prometendo responder aos ataques em devido tempo.

Assuntos Eleições  

Leia também
  • 01/02/2019 04:46:50

    Sudão: Al-Bashir diz que apenas eleições o podem tirar da liderança

    Cartum - O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, criticou quinta-feira última, as manifestações contra si, convocadas através de plataformas sociais na internet, assinalando que a mudança no poder apenas pode ser validada através de eleições.

  • 30/01/2019 07:57:42

    Nigéria: INEC credencia 144 grupos de observadores

    Abuja- A Comissão Nacional Eleitoral Independente (INEC) na Nigéria credenciou 144 grupos de observadores que irão monitorar a condução das próximas eleições gerais no país.

  • 29/01/2019 17:25:02

    Registo eleitoral de sul-africanos em Angola começa em Fevereiro

    Luanda - O registo eleitoral dos cidadãos sul-africanos maiores de 16 anos residentes em Angola vai decorrer de 1 a 4 de Fevereiro próximo, anunciou hoje, em Luanda, à imprensa o embaixador da África do Sul no país, Mfana Phakola.

  • 28/01/2019 10:42:31

    Tshisekedi ordena detenção de polícia após repressão de manifestantes

    Kinshasa (Dos enviados especiais) - O novo chefe de Estado da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, ordenou domingo a detenção de um oficial da Polícia Nacional implicado na repressão violenta, no mesmo dia, de uma manifestação de estudantes da Universidade de Lubumbashi (UNILU), que fez quatro mortos, incluindo três estudantes.