Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Julho de 2018 | 13h13 - Actualizado em 13 Julho de 2018 | 13h13

Camarões: Presidente da República anuncia recandidatura

Yaoundé - O presidente dos Camarões, Paul Biya, anunciou nesta sexta-feira pela rede social Twitter a sua candidatura às eleições marcadas para 07 de Outubro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

PAUL BIYA, PRESIDENTE CAMARONÊS

Foto: Google/Divulgação

"Aceito responder positivamente aos vossos apelos insistentes. Serei o vosso candidato às próximas eleições presidenciais", escreveu o chefe de Estado na conta de Twitter, onde se encontra inscrito como "President Paul BIYA".

"Consciente dos desafios que devemos ultrapassar juntos para um Estado dos Camarões ainda mais unido, estável e próspero", prossegue o político, de 85 anos.

Segundo a agência AFP, os apoiantes apresentam Paul Biya como "candidato natural da maioria".

Outros candidatos às presidenciais já são conhecidos, entre os quais Joshua Oish, da Frente Democrática Social, principal partido da oposição, também o vice-presidente local da organização Transparência Internacional, Akere Muna, e o presidente do partido Movimento para a Renascença dos Camarões, Maurice Kamto.

A AFP indica que as eleições estão previstas num contexto de tensão, devido às invasões do grupo jihadista nigeriano Boko Haram no norte e os conflitos nas regiões anglófonas (noroeste e sudoeste) entre o exército e grupos separatistas radicais.

Na quinta-feira, em Kumba, sudoeste do país, um comboio em que seguia o ministro da Defesa, Joseph Beti Assomo, foi atacado.

Quatro militares e um jornalista ficaram feridos e vários atacantes foram mortos.

O movimento separatista tem ganho força desde o fim de 2017, procedendo a ataques às forças da ordem e segurança, incendiando escolas, violando símbolos administrativos e sequestrando funcionários públicos.

Desde o início dos conflitos, já morreram mais de 80 funcionários das forças de segurança nas regiões anglófonas do país africano.

Assuntos Camarões  

Leia também