Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

24 Julho de 2018 | 13h31 - Actualizado em 24 Julho de 2018 | 13h30

África do Sul: Guerra comercial mundial na agenda da 10ª Cimeira do BRICS

Joanesburgo - O reforço do multilateralismo entre as cinco principais economias emergentes, perante uma possível guerra comercial entre os Estados Unidos, China e a União Europeia, deverá estar na agenda da 10ª Cimeira do BRICS, indicou a chefe da diplomacia sul-africana, Lindiwe Sisulu.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Lindiwe Sisulu

Foto: Francisco Miúdo

Questionada em conferência de imprensa na segunda-feira, em Joanesburgo, sobre se o tema fará parte da agenda da cimeira de líderes do BRICS [Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], a ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul disse que "é provável que se discuta o assunto, embora não seja tema principal da agenda".

"Os países do BRICS estão obviamente muito preocupados com o rumo dos nossos acordos multilaterais e do mundo, em geral, bem como com as tarifas aplicadas a determinadas exportações, que nos preocupa especialmente, mas não sei se isso será um factor dominante na agenda", disse.

Lindiwe Sisulu, que preside ao Comité Interministerial (IMC) da 10ª Cimeira do BRICS, falava à imprensa, em Joanesburgo, na apresentação do programa oficial da reunião que decorrerá entre 24 e 27 de Julho, no Centro de Convenções de Sandton, em Joanesburgo.

Os presidentes Vladimir Putin (Rússia), Xi Jinping (China), Michel Temer (Brasil) e o primeiro-ministro da Ìndia, Narenda Modi, participam na reunião anual de alto nível.

A cimeira, que terá como tema a "Colaboração para o Crescimento Inclusivo e Prosperidade Partilhada na 4ª Revolução Industrial", é a primeira reunião de líderes mundiais que a África do Sul organiza desde que o presidente Cyril Ramaphosa assumiu a liderança do país.

"Esta cimeira é um marco histórico, porque acontece no centenário do aniversário de Nelson Mandela e numa altura em que esperamos que os chefes de Estado possam deixar ficar um legado para uma vida melhor para todos nos cinco países membros, e que possam ainda beneficiar outros países africanos", afirmou Sisulu.

A ministra disse que o investimento externo, que é uma das áreas de foco do presidente Cyril Ramaphosa, também fará parte das discussões na cimeira.

"O presidente Ramaphosa vai promover uma conferência de investimentos em Outubro e convidou os seus colegas do BRICS e, claro, o investimento estará no topo da sua agenda porque gostaríamos de criar uma economia viável. Estamos muito preocupados com o baixo crescimento da nossa economia e o desemprego elevado, e isso será parte da agenda de discussões", disse a chefe de diplomacia.

Nesta terça-feira, o presidente sul-africano recebe o seu homólogo chinês Xi Jinping, em visita de Estado à África do Sul, após um périplo por África, a anteceder a cimeira de líderes do BRICS, em Joanesburgo.

Na conferência de imprensa de segunda-feira, Lindiwe Sisulu destacou o estado de prontidão da reunião de alto nível.

"Estamos confiantes de que será um sucesso. Estamos muito orgulhosos do trabalho que tem sido desenvolvido e por todos que lideram os vários fóruns ", precisou.

A governante sublinhou ainda que a África do Sul propôs cinco temas centrais para adopção na cimeira: um grupo de trabalho sobre manutenção da paz; um centro de investigação e pesquisa de vacinas; o Fórum das Mulheres do BRICS; promover a parceria do BRICS na 4ª Revolução Industrial e a criação de um canal de cooperação do BRICS sobre Turismo.

De acordo com Lindiwe Sisulu, a 10ª Cimeira BRICS será um "marco histórico" na cooperação destes países, "pois representa uma década de cooperação no mais alto nível diplomático".

No âmbito do seu envolvimento no continente africano, as autoridades sul-africanas convidaram ainda líderes como o presidente Hage Geingob, da Namíbia, os chefes de Estado do Gabão, Ali Bongo Ondimba, de Angola, João Lourenço, de Moçambique, Filipe Nyusi, do Uganda, Yoweri Museveni, e do Rwanda, Paul Kagame.

"Todos os chefes de Estado e de governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) foram igualmente convidados para a cimeira", sublinhou Sisulu.

O presidente da Argentina, Mauricio Marci, que preside ao G8, e o da Turquia, Recep Erdogan, participarão na cimeira de três dias, como representantes das economias emergentes no âmbito da iniciativa "Brics-Plus".

A reunião cimeira, em Joanesburgo, culminará com a adopção da "Declaração de Joanesburgo" que inclui as metas acordadas pelos cinco países-membros do BRICS até ao final do ano.

A presidência rotativa da África do Sul decorrerá até 31 de Dezembro de 2018.

Assuntos África do Sul  

Leia também