Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

30 Julho de 2018 | 08h54 - Actualizado em 30 Julho de 2018 | 08h52

Líbia: Demissão do presidente da Assembleia Constituinte

Tripoli - O presidente da Assembleia constituinte encarregue de redigir a nova Constituição da Líbia, Nouh Abdassayed, anunciou domingo a sua demissão, na véspera de um voto do Parlamento da Lei sobre o referendo constitucional.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da Líbia

Foto: Divulgação

Numa carta dirigida à Assembleia constituindo, Nouh Abdassayed indica que não tinha a capacidade nem desejava continuar o seu trabalho na Assembleia constituinte, tanto como presidente ou como membro.

O político que não justificou o porquê da sua demissão, disse que a partir do dia da entrega da sua carta, não assumiria mais aquela pasta, nem trabalharia para o projecto, precisando que não pertencia a nenhum partido, grupo ou organização, e que não traiu a Líbia.

A demissão ocorre na véspera de um voto do Parlamento sobre a Lei relativa ao referendo q ser organizado, como o fito de se adoptar uma nova Constituição da Líbia.

Em Julho de 2017, A Assembleia votou um projecto constitucional, que apresentou ao Parlamento. Este recusou a interina-la, enquanto um tribunal não se pronuncia-se sobre a validade do procedimento da redacção da Constituição.

Um mês depois, o tribunal de apelação pediu a suspensão do projecto de Constituição, argumentando que o mesmo havia sido adoptado pela Assembleia durante um voto organizado num dia feriado.

No entanto, o tribunal de apelação administrativo não tinha a competência de julgar os problemas da Assembleia constituinte.

à Líbia pena a conseguir a transição democrática, desde o derrube do antigo Presidente Mouammar Kadhafi, em 2011, o que continua a provocar insegurança e divisões políticas, no país.

Assuntos Líbia  

Leia também