Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

17 Agosto de 2018 | 14h01 - Actualizado em 17 Agosto de 2018 | 14h01

Presidente Bongo quer reformar sector da educação do Gabão

Libreville - O presidente gabonês, Ali Bongo, qualificou a educação no Gabão de "desastrosa" e anunciou que prevê "revolucionar o sistema" educativo, num discurso televisivo por ocasião do Dia da Independência.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente do Gabão, Ali Bongo

Foto: Joaquina Bento

"Os resultados do bacharelato de 2018 são apenas menos catastróficos que os de 2017! (...) Temos de revolucionar o sistema. É o futuro dos nossos filhos", declarou no seu discurso, citado sexta-feira pela AFP.

O sector da educação no Gabão está minado pelos limitados recursos financeiros que conduzem às más condições de trabalho, salas de aulas superlotadas, programas escolares inacabados e professores que acumulam salários em atraso.

O Gabão passou por um ano lectivo quase em branco entre 2016-2017, após uma longa greve dos professores.

Para Ali Bongo, "a prioridade não está nas reivindicações salariais" da educação, mas no "futuro dos nossos filhos".

"O nosso sistema de ensino está quebrado", considerou quinta-feira o presidente gabonês, antes de anunciar uma reforma das condições para a obtenção de bolsas de estudo, que a seu ver, teve até agora “somente resultados medíocres”.

"O Gabão é um país de África que mais gasta pelos seus estudantes bolseiros, sem grandes resultados", lamentou Bongo.

No poder do Gabão desde 2009, após ter sucedido o seu pai, Ali Bongo multiplica há seis meses os anúncios de reformas.

O Gabão beneficia de um empréstimo de três anos do Fundo Monetário Internacional (FMI) de 642 milhões de dólares a título de mecanismo alargado de crédito.

No início de Agosto, o FMI versou uma nova tranche deste empréstimo, referenciando "derrapagens orçamentais" em finais de 2017 e início de 2018 que prejudicaram a tesouraria.

Assuntos Gabão  

Leia também