Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

16 Agosto de 2018 | 01h50 - Actualizado em 16 Agosto de 2018 | 01h50

Zimbabweanos chamados a esquecer querelas eleitorais para "abraçar futuro"

Harare - O Presidente cessante do Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa, pediu aos seus concidadãos que se unam e coloquem o conturbado período eleitoral para trás e "abracem o futuro".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

No seu primeiro discurso público desde que venceu as eleições presidenciais de 30 Julho último, Manangagwa falava terça-feira no feriado do Dia dos Heróis, que homenageia os que morreram na guerra dos anos 1970, no sul de África, contra o Governo de minoria branca.

O Presidente eleito deveria ter tomado posse domingo passado, mas a cerimónia foi adiada por causa do recurso judicial contra os resultados eleitorais interposto no Tribunal Constitucional pelo principal partido da oposição, o Movimento para a Mudança Democrática (MDM).

A votação de 30 de Julho foi, na sua generalidade, pacífica e muitos esperavam que isso fosse sinónimo de uma nova era no Zimbabwe, mas a capital foi abalada por protestos pós-eleitorais, durante os quais os militares abriram fogo sobre a população, matando seis pessoas.

Mnangagwa culpou a oposição pelas mortes, dizendo que eles incitaram à violência, mas pediu uma reconciliação.

"Nunca devemos ser dissuadidos por contratempos temporários ou eventos lamentáveis que encontremos no nosso percurso para construir um Zimbabwe aberto, livre e democrático", disse Mnangagwa, que foi aplaudido pelos seus apoiantes.

"O tempo para a política acabou. Vamos, portanto, marchar em paz, harmonia e amor", afirmou o novo líder zimbabweano, ex-Vice-Presidente e apoiante de longa data do antigo Presidente Robert Mugabe, destituído em Novembro passado pelos militares.

Segundo a Comissão Eleitoral do Zimbabwe, Mnangagwa e o partido União Nacional Africana do Zimbabwe - Frente Patriótica (ZANU-PF, no poder) venceram nas urnas nestas primeiras eleições no país sem Mugabe, atribuindo a Mnangagwa 50,8 porcento dos votos.

Mas em tribunal, os advogados da oposição alegaram "erros matemáticos grosseiros" na vitória de Mnangagwa, e pedem uma nova votação ou a declaração do principal opositor, Nelson Chamisa, como vencedor.

No entanto, o partido de Mnangagwa, ZANU-PF, prometeu contestar o recurso apresentado pela oposição.

Na segunda-feira, Mnangagwa afirmou que tais diferenças não devem resultar em violência.

"Nunca permitamos que as nossas diferenças nos separem, causem animosidade ou agravem a intolerância e a violência entre nós", disse.

"Somos um só povo. É realmente hora de fecharmos as fileiras e impulsionarmos colectivamente a nossa agenda nacional e forjar o nosso país a novas fronteiras de desenvolvimento económico", sublinhou.

Desde a sua independência em 1980, o país só conheceu dois chefes de Estado, ambos da ZANU-PF (Mugabe e Mnangagwa).

Assuntos Eleições  

Leia também
  • 01/02/2019 04:46:50

    Sudão: Al-Bashir diz que apenas eleições o podem tirar da liderança

    Cartum - O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, criticou quinta-feira última, as manifestações contra si, convocadas através de plataformas sociais na internet, assinalando que a mudança no poder apenas pode ser validada através de eleições.

  • 30/01/2019 07:57:42

    Nigéria: INEC credencia 144 grupos de observadores

    Abuja- A Comissão Nacional Eleitoral Independente (INEC) na Nigéria credenciou 144 grupos de observadores que irão monitorar a condução das próximas eleições gerais no país.

  • 29/01/2019 17:25:02

    Registo eleitoral de sul-africanos em Angola começa em Fevereiro

    Luanda - O registo eleitoral dos cidadãos sul-africanos maiores de 16 anos residentes em Angola vai decorrer de 1 a 4 de Fevereiro próximo, anunciou hoje, em Luanda, à imprensa o embaixador da África do Sul no país, Mfana Phakola.

  • 28/01/2019 10:42:31

    Tshisekedi ordena detenção de polícia após repressão de manifestantes

    Kinshasa (Dos enviados especiais) - O novo chefe de Estado da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, ordenou domingo a detenção de um oficial da Polícia Nacional implicado na repressão violenta, no mesmo dia, de uma manifestação de estudantes da Universidade de Lubumbashi (UNILU), que fez quatro mortos, incluindo três estudantes.