Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

05 Setembro de 2018 | 09h10 - Actualizado em 05 Setembro de 2018 | 09h09

África/China: Ramaphosa anuncia criação de centros de pesquisa e desenvolvimento

Pequim - O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, anunciou que os países africanos e a China vão criar centros de pesquisa e de desenvolvimento, numa parceria em áreas como a energia, economia azul, agricultura, ciência e tecnologia.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa

Foto: Pedro Parente

Ramaphosa revelou que pelo menos quatro centros vão ser construídos numa parceria inédita entre China e África: um dedicado a impulsionar a 'economia azul', outro para potenciar o desenvolvimento da 'agricultura verde', e dois dedicados à geociência e à cooperação energética.

Para além disso, vai ser construído no Zimbabwe o Instituto Africano de Desenvolvimento de Competências, avançou o estadista sul-africano que é também co-presidente do evento, numa conferência conjunta em Pequim, no último dia do Fórum China-África (FOCAC), que juntou os presidentes chinês e do Senegal, país que assume a co-presidência do próximo fórum, em 2021.

O Presidente da África do Sul classificou o fórum como "uma cimeira histórica" que "sublinhou os laços profundos entre a China e os países africanos", no "caminho da prosperidade e da inclusão".

Ramaphosa agradeceu pessoalmente ao Presidente chinês, Xi Jinping, pelo investimento anunciado em "áreas críticas" para o desenvolvimento de África, da industrialização à economia do mar, passando pela saúde e educação, até à ciência e tecnologia, sublinhou.

O Presidente chinês, Xi Jinping, tinha anunciado na segunda-feira, na abertura da cimeira do FOCAC em Pequim, um pacote de 60 mil milhões de dólares para países africanos, no formato de assistência governamental e de investimento e financiamento de instituições financeiras e empresas.

O anúncio foi feito no arranque da terceira cimeira do FOCAC, em que pela primeira vez, e durante dois dias, participaram todos os países africanos de língua portuguesa, com o restabelecimento de relações diplomáticas entre a China e São Tomé e Príncipe.
Esta edição do fórum juntou dezenas de chefes de Estado e de Governo do continente africano.

A cimeira contou com três novos países, incluindo São Tomé e Príncipe, que se juntou aos restantes países africanos de língua portuguesa, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique.

As restantes estreias foram o Burkina Faso e a Gâmbia, que elevam assim para 53 o número de nações africanas com relações com a China.

Desde 2015, a média anual do investimento directo da China no continente fixou-se em três mil milhões de dólares, com destaque para novos sectores como indústria, finanças, turismo e aviação.

O primeiro Fórum de Cooperação China-África aconteceu em Pequim, em 2006, e a segunda edição decorreu na África do Sul, em 2015. A próxima vai realizar-se no Senegal em 2021.

Assuntos África   África do Sul  

Leia também
  • 05/09/2018 05:21:42

    ONU anuncia acordo de cessar-fogo perto de Trípoli

    Líbia - A missão da ONU na Líbia (Manul) anunciou na terça-feira a assinatura de um acordo de cessar-fogo entre os grupos armados envolvidos nos combates perto da capital, Trípoli, que deixaram ao menos 50 mortos desde 27 de Agosto.

  • 04/09/2018 17:34:00

    África do Sul: Cem feridos numa colisão de dois comboios

    Joanesburgo - Pelo menos uma centena de pessoas ficaram feridas nesta terça-feira, na colisão de dois comboios de passageiros perto de Joanesburgo, noticiaram meios de comunicação social locais.

  • 04/09/2018 16:36:49

    África: UE desembolsa 138 milhões de Euros para Lago Tchad

    Bruxelas - A Comissão Europeia anunciou, segunda-feira, o desbloqueamento de um pacote adicional de 138 milhões de Euros de ajuda humanitária para o desenvolvimento, para as populações vulneráveis da Nigéria, do Níger, do Tchad e dos Camarões.