Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

18 Setembro de 2018 | 18h00 - Actualizado em 19 Setembro de 2018 | 18h57

Zimbabwe: Presidente nega retorno em breve da moeda nacional

Harare - O presidente zimbabweano, Emmerson Mnangagwa, negou nesta terça-feira, em Harare, sobre um eventual regresso da moeda local (dólar do Zimbabwe) e comprometeu-se a erradicar enfermidades medievais, numa clara referência ao surto de cólera que já causou 30 mortos, noticiou a Prensa Latina.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente do Zimbabue, Emmerson Mnangagwa

Foto: Pedro Parente

No seu primeiro discurso à Nação durante a inauguração das sessões do novo Parlamento que integra os deputados eleitos durante as eleições gerais de 30 de Julho,

Mnangagwa afirmou que o retorno da moeda nacional ocorrerá quando as condições forem as mais adequadas.

Este pronunciamento do chefe de Estado foi feito uma semana após de o ministro das Finanças, Mthuli Ncube, ter afirmado que estava a favor do regresso do dólar zimbabweano.

O mandatário anunciou que serão adoptadas uma série de medidas económicas que incluem reformas na circulação das moedas e a ampliação da capacidade do mercado de divisas.

O governo do ex-presidente Robert Mugabe, decidiu eliminar o dólar zimbabweano em 2009 e adoptar o dólar dos Estados Unidos, o rand sul-africano e outras moedas, em consequência da hiper-inflação que assolou o país e desvalorizou à moeda nacional.

“ O meu governo continuará a utilizar o sistema de circulação de divisas até que os fundamentos negativos actuais da economia sejam solucionados e respaldem na introdução da moeda nacional”, sublinhou.

No início da sua intervenção, os deputados do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MCD) abandonaram à sessão conjunta da Assembleia Nacional e o Senado, como forma de protesto à vitória de Mnangagwa nas eleições gerais, ao derrotar o seu principal adversário e líder dessa formação, Nelson Chamisa.

Ao abordar a situação da cólera, declarado a 01 de Setembro, na capital do país, Mnangagwa pediu que à nação se compromete a enfrentar os desafios relacionados com a água potável e o saneamento básico.

 

Assuntos Moeda  

Leia também