Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

11 Janeiro de 2019 | 14h03 - Actualizado em 14 Janeiro de 2019 | 09h10

Cabo Verde continua no grupo de países de "democracias com falhas"

Praia - Cabo Verde caiu três lugares no índice da democracia, ocupando agora a 26ª posição e continuando a fazer parte do grupo de países de democracias com falhas, soube-se da cidade da Praia.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira de Cabo Verde

Foto: Divulgacao

Conforme o Índice da Democracia, elaborado pelo The Economist Intelligence Unit, nesta mais recente classificação o arquipélago obteve melhores notas em “liberdades civis e funcionamento do Governo” e piores pontuações na “participação política e cultura política”.

Publicado anualmente, o índice avalia a prestação dos países em cinco indicadores principais, tais como o processo eleitoral e pluralismo, o funcionamento do governo, a participação política, a cultura política e liberdades civis.

Os dados indicam que a média global do índice da democracia no mundo manteve-se estável, em 2018, pela primeira vez em três anos, mas 42 países baixaram a sua cotação e apenas 4,5 porcento da população vive em plena democracia.

O documento revela ainda que, relativamente ao ano passado, nenhum dos países da Europa Ocidental considerados “democracia com falhas” conseguiu passar para “plena democracia” e fazem parte deste grupo países como Portugal, França, Bélgica, Chipre, Grécia e Itália.

Segundo o Economist Intelligence Unit, no topo das melhores democracias estão a Noruega, a Islândia, a Suécia, a Nova Zelândia, a Dinamarca, o Canada e a Irlanda.

O Índice da Democracia diz ainda que um terço da população vive sob regimes autoritários e grande parte na China, e regista duas importantes mudanças, como a Costa Rica, que passou de uma “democracia com falhas” para “plena democracia”, e a Nicarágua, que passou de um “regime com falhas” para um “regime autoritário”.

Dos 167 países analisados, há um total de 20 “democracias plenas”, 55 “democracias com falhas”, 39 classificados como “regimes híbridos” e 53 “regimes autoritários”, refere a mesma fonte.

Assuntos Governação  

Leia também
  • 23/01/2019 10:59:38

    Altos funcionários do ANC acusados de defraudar Estado sul-africano

    Pretória - Quatro altos funcionários do ANC (Congresso Nacional Africano), no poder na África do Sul, foram hoje acusados de receber subornos para facilitar a contratação de uma empresa pelos serviços prisionais sul-africanos.

  • 21/01/2019 10:19:23

    Emmerson Mnangagwa interrompe viagem e regressa ao país após repressão

    Harare - O Presidente do Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa, anunciou hoje que vai interromper uma visita ao estrangeiro e regressar a casa, após protestos e repressão no seu país, defendendo que deseja "um Zimbabwe calmo, estável e funcional".

  • 08/01/2019 12:52:48

    PM considera contestação "normal em democracia"

    Praia - O primeiro-ministro de Cabo Verde classificou segunda-feira de ?normal em democracia? a contestação no país e afirmou que não se sente afectado por ameaças ou pressões para cumprir medidas com as quais não se comprometeu.