Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

01 Fevereiro de 2019 | 04h46 - Actualizado em 01 Fevereiro de 2019 | 09h54

Sudão: Al-Bashir diz que apenas eleições o podem tirar da liderança

Cartum - O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, criticou quinta-feira última, as manifestações contra si, convocadas através de plataformas sociais na internet, assinalando que a mudança no poder apenas pode ser validada através de eleições.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar


"A mudança de Governo não pode ser alcançada usando o WhatsApp ou o Facebook, apenas através das urnas, e o povo sudanês é o único corpo que pode determinar quem lidera este país", disse Omar al-Bashir, durante um comício junto dos seus apoiantes, em Kassala, sudeste do Sudão.

As declarações do chefe de Estado sudanês surgem na ressaca de vários dias de manifestações antigovernamentais, iniciados em 19 de dezembro.

O acesso a algumas das principais plataformas sociais na internet foi bloqueado pelas autoridades no final de dezembro, sendo apenas possível aceder-lhes através de redes virtuais privadas (VPN, na sigla em inglês).

Muitos dos protestos contra o Governo de Omar al-Bashir, que assumiu a Presidência em 1989, depois de um golpe de Estado, foram organizados através destas plataformas, predominantemente no Twitter.

Os protestos começaram em 19 de dezembro e tiveram como base a escassez e o aumento de preço dos produtos de primeira necessidade, como pão e medicamentos, mas evoluíram para um movimento popular contra o Governo, que pede a demissão de Omar al Bashir.

No último balanço, as autoridades do Sudão estimavam a morte de 30 pessoas desde o início da contestação ao líder do país, mas várias organizações não-governamentais, como a Human Rights Watch (HRW) e a Amnistia Internacional, apontam para mais de 40 mortos em pouco mais de um mês e meio.

Assuntos Eleições  

Leia também
  • 30/01/2019 07:57:42

    Nigéria: INEC credencia 144 grupos de observadores

    Abuja- A Comissão Nacional Eleitoral Independente (INEC) na Nigéria credenciou 144 grupos de observadores que irão monitorar a condução das próximas eleições gerais no país.

  • 29/01/2019 17:25:02

    Registo eleitoral de sul-africanos em Angola começa em Fevereiro

    Luanda - O registo eleitoral dos cidadãos sul-africanos maiores de 16 anos residentes em Angola vai decorrer de 1 a 4 de Fevereiro próximo, anunciou hoje, em Luanda, à imprensa o embaixador da África do Sul no país, Mfana Phakola.

  • 28/01/2019 10:42:31

    Tshisekedi ordena detenção de polícia após repressão de manifestantes

    Kinshasa (Dos enviados especiais) - O novo chefe de Estado da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, ordenou domingo a detenção de um oficial da Polícia Nacional implicado na repressão violenta, no mesmo dia, de uma manifestação de estudantes da Universidade de Lubumbashi (UNILU), que fez quatro mortos, incluindo três estudantes.