Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

11 Fevereiro de 2019 | 16h55 - Actualizado em 11 Fevereiro de 2019 | 16h55

Presidentes de Moçambique e África do Sul discutem casos Hanekom e Chang

Addis Abeba - A morte de um sul-africano e a detenção do ex-ministro moçambicano das Finanças foram temas discutidos pelos presidentes de Moçambique, Filipe Nyusi, e da África do Sul, Cyril Ramaphosa, à margem da reunião de estadistas da União Africana (UA), em Adis Abeba, anunciou esta segunda-feira o estadista moçambicano.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa

Foto: Pedro Parente

Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi

Foto: Pedro Parente

Os chefes de Estado deram “seguimento” às conversas sobre os casos Hanekom e Chang, referiu Filipe Nyusi aos jornalistas, recordando que ambos já os tinham analisado num encontro em Maputo, no início do ano.

Andre Hanekom, empresário sul-africano residente no norte de Moçambique, morreu em Janeiro, enquanto estava detido pela polícia, suspeito de envolvimento em ataques armados na região. Filipe Nyusi referiu que a situação não afecta as relações com a África do Sul.

“Os países não são pessoas e, por acaso, isso foi vincado”, referiu, ao descrever o encontro com Cyril Ramaphosa.

“Tem que se ver qual o motivo da morte”, com procedimentos “científicos”, acrescentou, realçando que “já houve uma autópsia feita em Moçambique” e que, se for o caso, deve ser feita outra na África do Sul.

“Todos nos solidarizamos com a família: ninguém deve morrer por causa de um problema que deve ser julgado”, prosseguiu.

Nyusi fez também alusão à detenção do ex-ministro das Finanças, Manuel Chang, em Joanesburgo, capital sul-africana, a pedido da justiça dos EUA, mas sem acrescentar detalhes.

Durante a conversa, o presidente moçambicano diz ter explicado “a intenção de Moçambique em relação a isso [à detenção]”.

Nyusi e Ramaphosa também trocaram impressões sobre “a actuação de insurgentes no norte” de Moçambique, província de Cabo Delgado, acrescentou, dado que os ataques armados que ali têm ocorrido representam um tipo de ameaça transnacional.

Assuntos Moçambique   África do Sul  

Leia também