Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

15 Maio de 2019 | 09h18 - Actualizado em 15 Maio de 2019 | 12h09

Burkina Faso: Quatro pessoas mortas em procissão religiosa

Ouagadougou - Quatro pessoas foram mortas segunda-feira no Burkina Faso, durante uma procissão religiosa em honra de Nossa Senhora, dias depois de um ataque a uma igreja ter feito seis mortos, entre os quais um padre, informou hoje a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DO BURKINA FASO

Foto: Divulgação

"Segunda-feira, na arquidiocese de Ouahigouya (norte), indivíduos atacaram católicos, matando quatro pessoas, disse o bispo Paul Oedraogo, presidente da Conferência Episcopal Burkina Faso-Níger, durante a assembleia plenária da Conferência Episcopal da África Ocidental, que reuniu uma centena de bispos de 16 países em Ouagadougou.

Na segunda-feira "a (estátua) da Virgem saiu à rua para visitar a paróquia (...) na entrada da aldeia de Singa, um grupo de terroristas interceptou a procissão. Eles mataram quatro fiéis e queimaram a estátua", disse hoje um responsável pela comunicação da Catedral de Ouagadougou à agência France-Presse.

Segundo a Agência Nacional de Notícias do Burkina Faso (AIB), os atacantes interromperam a procissão.

"Eles deixaram os menores, executaram quatro adultos e destruíram a estátua da Virgem", referiu um cidadão local, citado pela AIB.

Na sexta-feira, seis pessoas, incluindo um padre, foram mortas durante um ataque a uma igreja católica em Dablo, uma cidade na província de Sanmatenga, no norte do Burkina Faso, disseram fontes locais e de segurança.

"Por volta das 09:00 (hora local), durante a missa, homens armados invadiram a igreja católica e começaram a disparar, enquanto os fiéis tentavam fugir", contou na altura o prefeito de Dablo, Ousmane Zongo, à agência de notícias francesa, AFP.

Os atacantes "conseguiram imobilizar alguns fiéis, mataram cinco pessoas e também o padre que celebrava a missa, elevando o número de mortos para seis", disse.

Segundo uma fonte de segurança, o ataque foi realizado por um "grupo de homens armados, estimado entre vinte e trinta" elementos.

"Incendiaram a igreja, lojas e um pequeno restaurante, antes de irem ao centro de saúde onde revistaram as instalações e queimaram o veículo da enfermeira-chefe", relatou Zongo, acrescentando que na cidade "há um clima de pânico, as pessoas estão escondidas em casa, nenhuma actividade está a funcionar, as lojas estão fechadas: é praticamente uma cidade morta", descreveu.

O alerta foi dado por volta das 10:00 e os reforços foram enviados de Barsalogho, uma comunidade localizada a 45 quilómetros a sul de Dablo, confirmou à AFP uma fonte de segurança.

Os elementos das forças de defesa e segurança realizam buscas.

Este ataque acontece dois dias após a libertação, no norte do Burkina Faso, de quatro reféns, pelas forças especiais francesas.

O Burkina Faso tem sido confrontado nos últimos quatro anos com ataques cada vez mais frequentes e letais atribuídos a grupos terroristas, incluindo o Ansarul Islam, o Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos (GSIM), e a Organização do Estado Islâmico do Grande Saara (EIGS).

Assuntos Violência  

Leia também
  • 14/05/2019 09:35:55

    Ex-líder do Sudão é acusado por morte de manifestantes

    Roma - O presidente deposto do Sudão, Omar al-Bashir, foi formalmente acusado de envolvimento e incitação do assassinato de manifestantes durante protestos contra o seu regime, no mês passado, noticia agência italiana ANSA.

  • 14/05/2019 08:28:16

    Protestos em Cartum deixam cinco mortos

    Cartum - Um oficial e quatro manifestantes morreram na noite desta segunda-feira quando desconhecidos atiraram durante um protesto diante do Quartel-general do Exército sudanês em Cartum, informaram o Conselho Militar e fontes médicas, noticiou a AFP.

  • 05/02/2018 11:25:46

    Violência deixa 23 mortos na Rep. Democrática do Congo

    Kinshasa - Pelo menos 23 pessoas da comunidade hema foram "massacradas" desde sexta-feira em Ituri, nordeste da República Democrática do Congo (RDC), informou nesta segunda-feira uma fonte desta comunidade.