Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

23 Julho de 2019 | 11h50 - Actualizado em 23 Julho de 2019 | 11h50

Ministro das Finanças do Quénia nega acusações de corrupção

Nairobi - O ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, negou as acusações sobre o uso indevido de fundos do Estado num projecto de barragem supervisionado pela construtora italiana CMC Di Ravenna, noticiou hoje a BBC.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

As acusações contra Henry Rotich resultam de uma investigação policial.

Em Março último, Rotich e a empresa construtora já haviam negado qualquer irregularidade na utilização das verbas do Estado.

Henry Rotich e vários funcionários do seu pelouro foram presos segunda-feira por suborno e fraude num projecto de construção de duas barragens que envolve milhões de dólares.

Questionado no tribunal de Nairobi sobre se são verdadeiras ou não as acusações o governante respondeu: “Não é verdade”.

Assuntos Justiça   Quénia  

Leia também
  • 22/07/2019 15:33:51

    Ministro das Finanças do Quénia preso por suborno e fraude

    Nairobi - O Ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, e vários funcionários do seu ministério foram hoje presos por suborno e fraude num projecto de construção de duas barragens que envolve milhões de dólares, foi hoje divulgado.

  • 22/07/2019 10:04:15

    Ministro queniano das Finanças acusado de corrupção

    Nairobi - O ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, foi acusado de ter usado indevidamente fundos do Estado num projecto de barragem supervisionado pela construtora italiana CMC Di Ravenna, anunciou hoje (22) a Procuradoria-Geral da República.

  • 19/07/2019 10:41:05

    Tribunal marroquino aplica pena de morte a apoiantes do Estado Islâmico

    Rabat - O Tribunal de Salé aplicou a pena capital aos três apoiantes do Estado Islâmico que divulgaram um vídeo na internet a decapitar as duas turistas nórdicas em Marrocos, noticiou a Euronews.