Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

11 Setembro de 2019 | 11h59 - Actualizado em 11 Setembro de 2019 | 19h14

Zimbabwe vai repatriar 171 cidadãos residentes na África do Sul

Harare - O governo do Zimbabwe anunciou esta quarta-feira que vai repatriar 171 dos seus cidadãos residentes na África do Sul após uma onda de violência contra os seus negócios, o que causou a morte dois zimbabweanos, noticiou a prensa latina.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Segundo a ministra da Informação, Publicidade e Serviços de Rádio e Televisão, Monica Mutsvangwa, os ataques contra empresas de migrantes foram detalhados pelo ministro das Relações Exteriores e Comércio Exterior, Sibusiso Moyo,

De acordo com o relatório do diário oficial The Herald, Moyo anunciou que, devido a esses ataques xenófobos, 171 zimbabweanos foram afectados e dois morreram durante os ataques.

"O governo está profundamente triste com esses eventos e está no processo de repatriar urgentemente os cidadãos afectados", acrescentou Mutsvangwa.

Também informou que o Consulado do Zimbabwe na África do Sul busca o apoio de organizações internacionais para ajudar essas pessoas e que o seu governo continua acompanhar a situação no país vizinho, caso seja necessário trazer de volta mais zimbabweanos se o ambiente piorar.

O relatório indica que 12 pessoas morreram durante esses ataques e que 693 foram detidas pelos saques e queima das propriedades dos migrantes africanos.

Acrescenta que essa violência foi condenada por muitos países do continente, que consideram que essas acções contradizem os valores pan-africanistas defendidos pelos líderes da independência em África.

Os ataques contra migrantes na África do Sul foram respondidos em Moçambique e na Nigéria com ataques contra empresas no sul do país.

Assuntos Violência  

Leia também