Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

24 Setembro de 2019 | 08h32 - Actualizado em 24 Setembro de 2019 | 08h32

África do sul anuncia agenda para a 74ª Sessão da Assembleia Geral da ONU

Pretória (Da Correspondente) - A África do Sul vai usar a 74ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas para reafirmar o seu compromisso com a busca da paz e segurança no continente africano, disse, em Nova Iorque, a ministra das Relações Internacionais e Cooperação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

 

"A União Africana durante vários anos, adoptou o conceito de silenciar as armas em 2020, e, de facto, está a levar o nosso continente ao ponto de não haver mais conflitos que têm sido perturbadores da agenda africana para o desenvolvimento", sublinhou Naledi Pandor.

A chefe da diplomacia sul-africana que desenvolve a sua agenda inaugural na mais alta tribuna da ONU desde que ascendeu ao cargo em Maio passado, disse ainda que o seu país considera oportuno o assunto que põe fim às guerras em África, coincidentemente no ano em que vai assumir a Presidência Rotativa da União Africana.

À título singular, "estamos muito empenhados em alcançar a paz e segurança em África", rematou a diplomata que representa o Presidente da República Cyril Ramaphosa, forçado a cancelar a sua participação no evento e permanecer no país para tratar da questão da violência que tem assolado a África do Sul.

A Assembleia Geral das Nações Unidas reúne de 23 a 30 do corrente em Nova Iorque, sob o lema: Galvanizar Esforços Multilaterais para a Erradicação da Pobreza, Educação de Qualidade, Acções Climáticas e Inclusão.

O lema foi anunciado pelo Presidente da Assembleia Geral, Tijani Muhammad-Bande, da Nigéria.

Ao intervir na Assembleia Geral, Naledi Pandor vai abordar as prioridades e metas da África do Sul no campo doméstico e externo.

Isto inclui os objectivos do país enquanto membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU,  de 2019 a 2020. Outra meta está relacionada com o compromisso à volta do multilateralismo e os actuais desafios da comunidade internacional.

A paz e a segurança, o desenvolvimento sustentável, os direitos humanos, bem como as reformas da governação, farão parte da agenda.

De acordo com o porta-voz do Departamento de Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Clayson Monyela, Naledi Pandor vai participar, ao mais alto nível, e a margem da Assembleia Geral, em cimeiras, reuniões e manterá encontros bilaterais com homólogos de diversos países.

Acompanham a chefe da diplomacia sul-africana, o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, a titular do Ambiente Florestas e Pescas, Bárbara  Creecy, o ministro junto da Presidência da República para o Planeamento, Monitorização e Avaliação, Jackson Mthembo, bem como a ministra da Defesa e Veteranos Militares, Nosiviwe Mapisa Nqakula. 

Assuntos África do Sul  

Leia também
  • 23/09/2019 17:41:02

    Governo sul-africano convida Chissano para averiguar xenofobia

    Pretória - O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, convidou os antigos chefes de Estado de Moçambique Joaquim Chissano e da Tanzânia Jakaya Kikwete para averiguarem as causas da recorrente violência contra estrangeiros naquele país, noticiou hoje a imprensa sul-africana.

  • 20/09/2019 13:29:43

    Universidade sul-africana Stellenbosch convoca luta conta violência

    Pretória - A Universidade Stellenbosch, na Cidade do Cabo, convocou esta sexta-feira para intensificar a luta contra a violência do género, após o assassinato de um das suas funcionárias no fim-de-semana pelo seu parceiro.

  • 19/09/2019 20:43:32

    África do Sul: Presidente representado na ONU pela ministra das Relações Internacionais

    Pretória (Da Correspondente da Angop) - O Presidente da República da África do Sul, Cyril Ramaphosa, indigitou a ministra das Relações Internacionais e Cooperação, Naledi Pandor, para chefiar a delegação do seu país a Assembleia Geral das Nações Unidas, devido à situação interna vulnerável causada pela violência xenófoba contra imigrantes africanos.