Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

23 Setembro de 2019 | 15h37 - Actualizado em 23 Setembro de 2019 | 15h37

Greve em açucareira moçambicana entra na quarta semana

Maputo - Os trabalhadores da açucareira Maragra, no distrito da Manhiça, sul de Moçambique, completam hoje o 23.º dia de greve reivindicando aumentos salariais, disse à Lusa fonte da comissão de trabalhadores.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Nós queremos aumento do salário, mas o patrão não está a aceitar", referiu António Carlos, operário na açucareira.

É a terceira vez que uma paralisação acontece este ano na fábrica de transformação de cana, estimando-se que 800 trabalhadores estejam parados, pedindo tabelas superiores às actuais, com salários mínimos de 4.600 meticais (cerca de 68 euros).

Na última greve, em Agosto, o Governo pediu que os trabalhadores retomassem a actividade e garantiu que ajudaria a resolver o assunto em duas semanas, mas, "chegados ao fim do prazo, não houve nada", referiu Elias Tala, membro da comissão dos trabalhadores, em declarações à Lusa.

"A empresa limita-se a dizer que não tem dinheiro para resolver o assunto", acrescentou Tala.

Em negociações, na quinta-feira, a Maragra Açúcar SA propôs um bónus de 20% sobre o vencimento do mês de Dezembro, mas os trabalhadores recusaram, exigindo um aumento de salário e dizendo que "o bónus faz parte de outro pacote".

A greve, por um prazo de 30 dias, deverá durar até final do mês, de acordo com a carta remetida à administração da empresa, e poderá ser repetida se não houver respostas, disse António Carlos.

Contactada pela Lusa, a administração da Maragra recusou-se a prestar declarações.

A açucareira Maragra é detida maioritariamente (90%) pelo grupo empresarial sul-africano Illovo, estando os restantes 10% nas mãos da sociedade privada Marracuene Agrícola Açucareira SARL.

Assuntos Greve   Moçambique  

Leia também