Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

14 Janeiro de 2020 | 10h26 - Actualizado em 14 Janeiro de 2020 | 19h32

França e países do Sahel prometem reforço militar contra 'jihadistas'

Paris - A França e os países do G5 Sahel (Níger, Tchad, Mauritânia, Burkina Faso e Mali), reunidos segunda-feira na cimeira de Pau, em França, anunciaram numa declaração conjunta que vão fortalecer a cooperação militar contra ataques jihadistas na região, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Emanuelle Macron, presidente de França

Foto: Arquivo

Os presidentes dos países do G5 Sahel, reunidos por iniciativa do chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, também "expressaram o desejo de que continue o envolvimento militar da França no Sahel", numa resposta contra a ascensão do sentimento anti-francês, que foi denunciada por Paris.

Os presidentes de cinco países do Sahel, face às ofensivas 'jihadistas' cada vez mais sangrentas, esperam poder contar com o "apoio crucial" dos Estados Unidos, que pretende reduzir a sua presença militar na região.

No final da cimeira, Emmanuel Macron anunciou o envio de mais 220 soldados para o Sahel, para fortalecer a força militar francesa Barkhane de combate ao terrorismo 'jihadista' na região.

"Decidi dar capacidades adicionais de combate: 220 soldados reforçarão as tropas de Barkhane", que já contam com 4.500 homens, afirmou o Presidente francês.

Na sua declaração, Emmanuel Macron denunciou as "potências estrangeiras" que alimentam o discurso antifrancês no Sahel e disse que, na luta anti-'jihadista' "espera" ser capaz de convencer o Presidente norte-americano, Donal Trump, a manter as forças dos EUA em África.

"Espero poder convencer o Presidente Trump de que a luta contra o terrorismo também está a ocorrer nesta região e que o assunto líbio não pode ser separado da situação no Sahel e na região do lago Chade", afirmou Macron, mencionando o risco de "proliferação do terrorismo" em caso de falha.

Quanto aos movimentos anti-França no Sahel, Macron declarou: "Os discursos que ouvi nas últimas semanas são indignos (...), porque servem outros interesses, seja de grupos terroristas (...) ou de outras potências estrangeiras, que simplesmente querem ver os europeus afastados dali, porque têm a sua própria agenda, uma agenda de mercenários".

O Presidente francês sublinhou que o exército francês "está no Sahel pela segurança e estabilidade" da região e não por "outros interesses".

Os Estados Unidos da América admitiram hoje reduzir a sua presença militar em África, o que pode colocar em risco os esforços feitos pelos europeus para ajudar a região na luta contra os grupos 'jihadistas'.

"[Os recursos do Pentágono dedicados à África ou ao Médio Oriente] podem ser reduzidos e depois redireccionados, para melhorar a preparação das nossas forças nos Estados Unidos ou no Pacífico", afirmou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, general Mark Milley, à chegada a Bruxelas, na madrugada de hoje, para uma reunião do Comité Militar da OTAN, que se realiza entre terça e quarta-feira.

Os Estados Unidos querem reduzir o número de soldados destacados em toda a África nos próximos anos e concentrar-se mais em responder às ameaças colocadas por russos e, especialmente, chineses.

O exército norte-americano desloca por rotação em África cerca de 7.000 soldados das forças especiais que estão a realizar operações conjuntas com os exércitos nacionais contra os grupos extremistas e 'jihadistas', principalmente na Somália.

Além disso, 2.000 soldados do exército realizam missões de treino em cerca de 40 países africanos e participam nas operações de cooperação, em particular com as forças francesas da Operação Barkhane, no Mali, às quais prestam, principalmente, assistência logística.

Assuntos Reunião   África  

Leia também
  • 13/01/2020 17:05:46

    EUA admitem reduzir a sua presença militar em África

    Bruxelas - Os Estados Unidos admitiram hoje reduzir a sua presença militar em África, o que pode colocar em risco os esforços feitos pelos europeus para ajudar a região na luta contra os jihadistas.

  • 13/01/2020 15:17:32

    Líbia: Rússia confirma reunião de Sarraj e Haftar em Moscovo

    Moscovo - O primeiro-ministro do Governo do Acordo Nacional (GNA), Fayez Sarraj, e o líder do Exército Nacional Líbio (LNA), marechal Khalifa Haftar, reúnem-se em Moscovo, nesta segunda-feira (13), informou a diplomacia russa.

  • 10/01/2020 18:31:26

    Mais de 20 países africanos vão a eleições em 2020

    Joanesburgo - Mais de duas dezenas de países africanos vão este ano a eleições, com as atenções centradas nas presidenciais na Côte d'Ivoire, em Outubro, e nas gerais da Guiné Conakry, em Fevereiro, e do Ghana, em Dezembro.