Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

14 Janeiro de 2020 | 16h02 - Actualizado em 14 Janeiro de 2020 | 16h01

Governo do Sudão do Sul e grupo rebelde assinam cessar-fogo em Roma

Roma - O Governo do Sudão do Sul assinou um acordo de cessar-fogo em Roma, no domingo, com um grupo rebelde, a Aliança de Oposição do Sul do Sudão (SSOMA), que deverá entrar em vigor quarta-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa do Sudão do Sul

Foto: Divulgação

A Declaração de Roma prevê um cessar-fogo a partir de 15 de Janeiro, o acesso do país a organizações humanitárias e a continuação das discussões em Roma sobre possíveis diferenças, disse na segunda-feira Paolo Impagliazzo, secretário-geral da Comunidade de Sant'Egídio, a associação católica próxima do Vaticano que organizou o encontro na capital italiana.

O Sudão do Sul vive uma guerra civil há mais de seis anos, quando o presidente Salva Kiir acusou Riek Machar, seu ex-vice-presidente, de fomentar um golpe de Estado.

O conflito, marcado por atrocidades e pelo recurso a violações como arma de guerra, matou mais de 380 mil pessoas, de acordo com um estudo recente, e forçou a saída de mais de quatro milhões de sul-sudaneses, quase um terço da população, das suas casas.

Um acordo de paz alcançado em Setembro de 2018, sem a participação de todos os grupos rebeldes, levou a um forte declínio nos combates, embora não tenham cessado completamente.

"[O acordo] permite ao nosso povo silenciar as armas, permite ao nosso povo receber ajuda humanitária em todas as zonas rurais da República do Sudão do Sul, permite-nos construir perdão, reconhecimento e harmonia entre todo o nosso povo", disse Barnaba Marial Benjamin, o porta-voz do Governo sul-sudanês.

"Gostaria de lhe dizer [ao Papa Francisco], em nome da aliança dos movimentos de oposição e em nome do nosso povo, que temos vergonha de ter causado esta guerra ao nosso povo e entre nós", disse Pa'Gan Amum Okiech, um líder da SSOMA.

Num gesto marcante, o Papa Francisco ajoelhou-se em Abril passado para beijar os pés dos dois líderes em guerra do Sudão do Sul, convidados pelo Vaticano para um retiro espiritual de dois dias.

Assuntos Sudão do Sul  

Leia também