Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

29 Janeiro de 2020 | 19h34 - Actualizado em 29 Janeiro de 2020 | 19h33

Guiné Equatorial tem de estar preparado para qualquer eventualidade

Moscovo - O vice-presidente da Guiné Equatorial, 'Teodorin' Obiang, defendeu, em entrevista à Sputnik, a importância da cooperação militar com a Rússia, sustentando que o país tem de estar preparado para "qualquer eventualidade", sejam ataques ou chegada de refugiados.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da Guiné Equatorial

Foto: Divulgação

"Temos de estar bem preparados para fazer frente a qualquer eventualidade, não apenas em caso de um ataque, mas também para fazer frente se houver refugiados. Com o Governo russo esperamos poder ter um apoio sério para saber como enfrentar esse tipo de situações", disse Teodoro Nguema Obiang Mangue à edição online da Sputnik.

Conhecido como 'Teodorin', o vice-presidente equato-guineense visitou esta semana a Rússia e foi portador de uma carta do presidente Teodoro Obiang para o homólogo russo, Vladimir Putin.

Na entrevista, 'Teodorin' Obiang assinalou que em África "há muitas tempestades" e apontou que a crise que atinge a região do Sahel, está a alastrar a zonas de países fronteiriços da Guiné Equatorial, como a Nigéria e os Camarões.

Escusando-se a confirmar se o seu país pretende comprar novo material militar russo, o vice-presidente sublinhou a importância da cooperação na área da defesa entre os dois países.

"A maioria do nosso material é de origem russa (99%) e temos de ter bons quadros, bons técnicos que saibam manejar este material, por isso a cooperação militar com a Rússia é muito importante", afirmou.

E reforçou: "Sem essa cooperação, como é que poderemos formar bem o nosso exército? Temos de defender-nos em caso de um eventual problema".

'Teodorin' Obiang elogiou a política externa da Rússia relativamente a África, que, segundo disse, se traduziu no "êxito" da recente cimeira Rússia-África, realizada em Sochi.

Uma cimeira "com um país que não vem dar [uma lição] de prepotência, mas ajudar e dar apoio a países necessitados como os africanos", considerou.

"Sofremos muito com as políticas internacionais que não são favoráveis ao povo africano", notou, apontando o exemplo da intervenção internacional na Líbia.

Para 'Teodorin', a intervenção internacional "destruiu a Líbia" e armou terroristas em nome do combate ao terrorismo, dividindo o país por diferentes grupos rebeldes.

"Chamam ditadores a todos os presidentes africanos. O resultado está aí, um caos. Um caos total, mais de 10 anos após o assassínio do presidente Muammar Kadhafi", disse.

Na entrevista, que se centrou exclusivamente na cooperação entre os dois países, o vice-presidente equato-guineense convidou ainda as empresas russas dos sectores dos hidrocarbonetos e minerais a investir na Guiné Equatorial, prometendo oferecer-lhes todas as facilidades.

Desde a independência de Espanha, em 1968, a Guiné Equatorial, um dos maiores produtores de petróleo em África, aderiu à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) em 2014.

Assuntos Guiné-Equatorial  

Leia também
  • 10/01/2020 18:18:22

    Guiné Equatorial condecora prémio Nobel da Paz etíope

    Malabo - O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, condecorou quinta-feira, em Malabo, o prémio Nobel da Paz e primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, no final de uma visita para reforçar as relações entre os dois países.

  • 09/01/2020 15:12:04

    AI exige explicações sobre detenção de opositores na Guiné Equatorial

    Londres - A Amnistia Internacional (AI) exigiu hoje ao regime de Teodoro Obiang que esclareça o paradeiro de quatro opositores ao Governo, alguns deles residentes em Espanha, que foram alegadamente capturados no Sudão do Sul e transferidos para a Guiné Equatorial.

  • 19/12/2019 15:27:49

    FMI aprova ajuda financeira de 282,2 milhões à Guiné Equatorial

    Malabo - O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje um pacote de ajuda financeira à Guiné Equatorial no valor de 282,8 milhões de dólares, até 2022, com uma forte componente de melhoria da governação e combate à corrupção.