Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Fevereiro de 2020 | 23h06 - Actualizado em 14 Fevereiro de 2020 | 11h45

Líbia está em ponto crítico, adverte Cruz Vermelha

Tripoli - Caso a situação na Líbia piore, poderia levar a uma fuga em massa daquele país, alertou nesta quinta-feira o presidente do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Peter Maurer, após uma visita de três dias ao país do norte africano, mergulhado numa guerra.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da Cruz Vermelha Internacional

Foto: Divulgação

"A Líbia está numa situação crítica na qual os líbios querem ficar em casa, eles esperam um processo político que possa ajudá-los a superar isso", disse Maurer à AFP.

"Mas não excluo que, se não conseguirmos estabilizar a situação política e humanitária, haverá repentinamente fluxos populacionais, como se vê quando as pessoas perdem a esperança no futuro do seu país", acrescentou o dirigente.

Após a votação de uma resolução nas Nações Unidas a favor de "um cessar-fogo duradouro", Maurer declarou que "aprecia que os estados busquem uma solução consensual".

Mas "ainda há muito trabalho de convergência a ser feito", ressaltou, duas semanas após uma reunião, em Berlim, entre as partes envolvidas no conflito.

Nesta quinta, novos combates foram registrados no sul de Tripoli, a capital da Líbia.

O CICV se esforça para "apoiar os líbios deslocados e agir de maneira rápida e adequada às suas necessidades", disse.

Um entre cada quatro líbios é afectado directamente pelo conflito que entra no seu nono mês, segundo o CICR.

Os combates em Tripoli, alvo desde Abril de 2019 de uma ofensiva do marechal Khalifa Haftar, um homem forte do leste da Líbia, levaram ao enceramento de 13 instalações de saúde e 220 escolas, segundo o CICV.

No ano passado, 177.000 pessoas abandonaram suas casas, a maioria vivia perto de Tripoli, por conta da violência, garante a organização, destacando que o dia-a-dia é marcado pelo medo e as dificuldades crescentes para obter produtos de primeira necessidade.

Assuntos África  

Leia também