Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

16 Maio de 2020 | 15h47 - Actualizado em 16 Maio de 2020 | 15h47

RDC espera declarar fim do surto de ébola em Junho

Kinshasa - A República Democrática do Congo (RDC) deu alta ao último paciente admitido com ébola no nordeste do país e as autoridades esperam poder declarar o fim do surto no final de Junho, confirmaram hoje fontes sanitárias.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa da República Democrática do Congo

Foto: António Escrivão

"Efectivamente, foi dada alta no centro de tratamento e vamos seguir os critérios de declaração de fim da epidemia", confirmou hoje o coordenador nacional da resposta contra o ébola, Steve Ahuka, em declarações à agência espanhola Efe.

A alta do último hospitalizado aconteceu esta sexta-feira, em Beni, localidade congolesa que tem sido um dos grandes epicentros da epidemia declarada em Agosto de 2018, no nordeste do país.

Apesar da boa notícia, as autoridades sanitárias devem permanecer atentas à possibilidade de novos casos no terreno durante as próximas semanas. Além disso, é procurada uma pessoa que testou positivo, mas fugiu e continua desaparecida.

Se depois de um prazo de 42 dias a partir da alta deste último paciente não se detectarem novos casos, a RDC poderá declarar o fim oficial do surto, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Já em Abril, quando o país estava a penas a dois dias de cumprir o prazo exigido, um novo positivo obrigou ao adiamento do anúncio e, desde então, a doença provocou quatro mortos.

No total, esta epidemia - a pior da história da RDC e a segunda mais grave a nível mundial depois da que afectou a África ocidental de 2014 a 2016 - registou 3.462 casos, com 2.268 óbitos, segundo os dados da OMS.

As províncias afectadas no nordeste do país foram Ituri, Kivu do Norte e Kivo do Sul, nas quais o controlo da epidemia se tornou mais difícil pela recusa de algumas comunidades em receber tratamento e pela grande insegurança na zona, onde operam dezenas de grupos armados.

Assuntos RDCongo  

Leia também