Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

30 Novembro de 2015 | 21h23 - Actualizado em 30 Novembro de 2015 | 21h21

Parque Nacional do Bicuar quer melhorar condições para atrair turistas

Lubango - A administração do Parque Nacional do Bicuar, localizado na província da Huíla, necessita de pelo menos 30 milhões de kwanzas, para edificar, a partir de 2016, infra-estruturas de apoio, que visam melhorar as condições e atrair turistas para a reserva natural.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A informação foi hoje, segunda-feira, revelada à Angop, no Lubango, pelo administrador do Parque, José Maria Kandungo, sublinhado que o montante em causa poderá servir para a construção de um restaurante, assim como pequenas unidades de hospedagem.

Segundo o administrador, se o montante for disponibilizado permitirá também efectuar abertura de estradas terraplanadas e de mais furos de água, para evitar saídas de animais para outras localidades, sujeitos a serem abatidos.

José Maria Kandungo referiu que a administração do Parque já endereçou pedidos ao ministério do ambiente, da agricultura e ao governo provincial da Huíla, na perspectiva de disponibilizarem a verba.

“Nós temos recebido vários turistas que visitam o Parque do Bicuar e muitos deles reclamam, principalmente, por alimentação e alojamento, uma vez que a reserva não possui uma única infra-estrutura que sirva alimentos e outros produtos”, realçou.

Explicou que o Parque, bem aproveitado, poderá render “muito” dinheiro aos cofres do Estado, pois para além da existência da fauna e da flora também tem recursos minerais, que podem atrair investimentos e contribuir para diversificar a economia nacional.

Lembrou que no período colonial muitos turistas visitavam o parque, pois havia condições para o efeito, mas actualmente a situação cambiou, problema que o governo está, no âmbito da reforma e melhorias das reservas naturais, a resolver, reabilitando as suas infra-estruturas.

O Parque tem um complexo administrativo e uma área de pesquisa para estudantes, com uma superfície total de sete mil e 900 quilómetros quadrados. Confina com os municípios dos Gambos, Matala, Quipungo e Chibia. Nele habitam várias espécies, sendo o elefante e o búfalo branco as principais mascotes.

Assuntos Parques   Província » Huíla  

Leia também
  • 12/09/2018 09:44:03

    Mais de duas mil plantas vandalizadas no Lubango

    Lubango - Duas mil e 600 plantas colocadas no solo em Maio deste ano no âmbito da requalificação dos espaços verdes da cidade do Lubango foram vandalizadas, informou a directora do Gabinete Provincial do Ambiente, Gestão dos Resíduos e Serviços Comunitários, Dina Domingos.

  • 11/09/2018 12:21:38

    Governo avalia caça furtiva no parque do Maiombe

    Luanda - Um diagnóstico sobre a caça furtiva no Parque Nacional do Maiombe, em Cabinda, está a ser elaborado pelo Ministério do Ambiente, no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES).

  • 26/07/2018 14:27:53

    Combate à defecação ao ar livre aposta do executivo

    Lubango - O Ministério do Ambiente e o Unicef levam a cabo palestras e investimentos em infraestruturas básica para o combate à defecação ao ar livre no país.

  • 25/07/2018 11:18:21

    Falta de fiscais facilta caça furtiva na Huíla

    Lubango - A falta de fiscais e meios de transporte para o patrulhamento das reservas florestais facilitam o abate desordenado de árvores e a caça furtiva na província da Huíla