Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

13 Junho de 2018 | 14h47 - Actualizado em 13 Junho de 2018 | 14h43

Angola produz três milhões de toneladas de lixo por ano

Luanda - Angola produz 3,5 milhões de toneladas de lixo por ano, adianta um Relatório Social de Angola 2016 apresentado terça-feira, em Luanda, elaborado pela Universidade Católica de Angola (UCAN).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Relatório Social de Angola da UCAN lançado em livro

Foto: Lino Guimaraes

Segundo o relatório, que aponta dados do Ministério do Ambiente, do referido número, 1,3 milhões, equivalentes a um terço, são produzidos em Luanda, num rácio que se estima entre 75 a 80 gramas por cada habitante.

O documento sublinha que com o ritmo actual de crescimento demográfico, as autoridades admitem um cenário desafiador, ao prever o aumento do volume de produção dos resíduos na capital na ordem de 146 por cento até ao ano de 2025, sendo que a capacidade de recolha e seu tratamento crescerá desproporcionalmente.

"Considerando que na sequência da crise económica, as verbas para o subsector de saneamento têm sido sistematicamente reduzidas, pode-se dizer que em 2016 o volume de lixo de todos os cidadãos do país foi de longe superior ao que as operadoras conseguiram recolher - " realça o estudo.

O relatório faz referência às medidas adoptadas pela província de Luanda para contrapor a problemática do lixo, como o "sábados vermelhos", e a campanha de 45 dias liderada por uma comissão nomeada pelo Presidente da República, em 2016.

Acrescenta que outras restantes províncias seguiram o exemplo de Luanda, tendo adoptado modelos participativos de gestão de lixo, com destaque para o Zaire, com o programa " Verde na cidade de Mbanza Congo"; Ondjiva (Cunene), Lobito (Benguela), com um modelo que inclui a participação financeira dos munícipes e empresas; Huambo e Dundo (Lunda Norte) da co-participação física.

O relatório, de 303 páginas, está dividido em oito capítulos que abordam a participação política dos cidadãos, perfil sanitário angolano, avaliação dos comportamento dos principais indicadores educacionais, a problemática de água e saneamento básico no país.

Acções levadas a cabo pelo extinto Ministério da Assistência e Reinserção Social, no âmbito da Política Nacional de Assistência Social, os tipos de recursos  naturais, a problemática dos sectores da sociedade civil e das mudanças que estão a produzir em Angola e uma monografia sobre a pobreza no município de Kalandula em Malanje são outras questões abordadas no relatório.

Em Março do corrente ano, a ministra do Ambiente, Paula Coelho, anunciara que mil toneladas de lixo eram depositadas diariamente no aterro sanitário dos Mulenvos, em Luanda.

Na altura, dissera que a quantidade de lixo que Luanda produzia girava à volta dos 0,65 quilos diários por pessoa, o que a tornava insustentável por deter apenas um aterro.

Assuntos Ambiente  

Leia também
  • 11/06/2018 22:52:50

    Estratégia de Saneamento apresentada em Luanda

    Luanda - A Estratégia Nacional de Saneamento Total Liderado pelas Comunidades e Escolas em Angola (ENSTLCEA), com vista a se alcançar a condição de comunidades sem defecação ao ar livre, foi apresentada hoje, segunda-feira, em Luanda.

  • 11/06/2018 15:40:10

    Ministra aponta prioridades para 2017/2022

    Luanda - A ministra do Ambiente, Paula Francisco, apontou o saneamento urbano e rural como prioridades do sector no período 2017/2022, sem descurar a inclusão económica.

  • 11/06/2018 14:54:04

    Huíla: IDF produz quarenta mil plantas

    Lubango - Quarenta mil plantas de diversas espécies foram produzidas de Janeiro de 2017 a Maio de 2018 pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal na Huíla, (IDF), sete mil a mais que no igual período anterior.