Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

25 Julho de 2018 | 12h37 - Actualizado em 25 Julho de 2018 | 15h00

África perde USD 213 biliões com comércio ilegal de recursos naturais

Luanda - O continente Africano perde anualmente entre USD 70 a 213 biliões com actividades ilícitas ligadas ao sector dos recursos naturais, disse hoje (quarta-feira), em Luanda, a comissária para a economia rural e agricultura da União Africana, Josefa Sacko.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Comissária da União Africana para Economia Rural e Agricultura, Josefa Sacko

Foto: Clemente dos Santos

Falando na abertura da segunda reunião do grupo de peritos sobre a implementação da estratégia da União Africana adstrita à vida selvagem, a embaixadora acrescentou que cerca de 24 milhões de emprego estão também entre os prejuízos anuais desta actividade.

Josefa Sacko disse que o crescente envolvimento de redes criminosas organizadas nas cadeias de fortalecimento deste comércio e os elos estabelecidos com alguns grupos armados não estatais em África deram origem a preocupações adicionais de segurança.

Nesta conformidade, acrescentou, esta prática deixou de ser apenas uma questão de conservação e tornou-se um factor que compromete a segurança e desenvolvimento sustentável mais amplo.

"Os números da caça furtiva no continente permanecem em níveis insustentáveis apresentando uma mortalidade que excede a taxa de natalidade natural, resultando assim num declínio contínuo no número de elefantes africanos devido a uma demanda crescente e aumento assustador da caça furtiva aos marfins de elefantes e chifres de rinoceronte", frisou.

A comissária fez saber que o mercado asiático vende um quilograma do marfim entre dois mil e quinhentos a três mil dólares e o rinocerontes a 60 mil dólares.

Josefa Sacko mostrou também uma preocupação com o crescente aumento do comércio ilegal de aves, estimado entre dois a cinco milhões de aves por ano, o comércio ilegal dos pangolins (papa formigas), bem como o aumento da caça e comércio ilegal de carnes e escamas de muitos outros animais.

Por outro lado, a embaixadora disse que com relação às unidades populacionais de peixes, a captura global de pesca ilegal não declarada e não regulamentada constitui 46 porcento da captura total mundial de peixe.

Quanto à extracção ilegal de madeira, Josefa Sacko disse que estima-se que cinco dos dez principais países florestais percam pelo menos metade de todas as árvores cortadas para a extracção ilegal de madeira, respondendo por entre 50 a 90 porcento de todas actividades florestais nos principais países produtores.

Para combater esse mal, Josefa Sacko fez saber que a comissão da União Africana realizará um evento paralelo, à margem da cimeira de Janeiro de 2019, sob o tema "A corrupção e a exploração ilícita da fauna e da flora selvagens em África".

Assuntos Ambiente   Fauna   Flora  

Leia também
  • 25/07/2018 13:50:17

    Técnicos abordam implementação da ecotaxa

    Luanda - Um encontro para apresentação e recolha de contribuições sobre a ecotaxa (imposto para prevenção e preservação do ambiente) vai ter lugar esta quinta-feira, em Luanda, numa promoção do grupo técnico encarregue da sua implementação.

  • 25/07/2018 13:34:04

    Angola continua zona de transição para tráfego ilegal de marfim

    Luanda - O secretário de Estado para os Recursos Florestais, André de Jesus Moda, afirmou hoje (quarta-feira) que Angola continua uma zona de transição para o tráfego ou comércio ilegal do marfim, corno de rinoceronte, escamas do pangolim, gorila e aves selvagens.

  • 25/07/2018 11:18:21

    Falta de fiscais facilta caça furtiva na Huíla

    Lubango - A falta de fiscais e meios de transporte para o patrulhamento das reservas florestais facilitam o abate desordenado de árvores e a caça furtiva na província da Huíla