Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

31 Julho de 2018 | 10h12 - Actualizado em 31 Julho de 2018 | 11h45

Plástico agride ecossistema marinho no país

Luanda - A poluição resultante do descarte de resíduos plásticos por parte de banhistas e embarcações prejudica o ecossistema marinho, alertou hoje (terça-feira), em Luanda, o presidente do Conselho de Administração da Agência Nacional de Resíduos, Sabino Ferraz.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

PCA da Agência Nacional de Resíduos, Sabino Ferraz

Foto: Lino Guimaraes

Em declarações à Angop, o responsável aferiu que os plásticos têm altos índices de absorção de poluentes e podem sofrer alteração com a exposição aos raios ultravioleta e à água salgada, juntando-se ao plâncton.

O plâncton é um conjunto de organismos que vivem dispersos nas águas doce, marinha e salobra, com muito pouca capacidade de locomoção sendo transportados pelas correntezas.

Nesta perspectiva, prosseguiu, as espécies marinhas confundem os plásticos com alimentos e ingerem-nos, correndo o risco de contaminação, que ao entrarem na cadeia alimentar humana, é transmissível.

Para este efeito, enfatizou, que os agentes poluidores presentes nos plásticos podem ser de naturezas química, biológica ou até energética, como a luz, o calor ou a radiação.

"Até alguns produtos aparentemente benignos para a actividade humana podem ser considerados poluentes, se provocarem efeitos negativos posteriores", enfatizou.

Por isso, considerou, que alguns produtos libertos da actividade industrial como resíduo podem não ter uma perigosidade imediata e directa, mas se em contacto com outros, que ocorrem na natureza ou em presença de certas condições de luminosidade ou radiação, podem tornar-se nocivos.

Ao nível programático, adiantou, que uma das mais importantes vertentes da política ambiental é a educação e sensibilização das comunidades.

Sabino Ferraz proferiu que está a ser preparada a legislação para a obrigação do pagamento dos sacos de plástico leves, e propõe que a receita arrecadada por essa via sirva exactamente à promoção de campanhas, programas e projectos de consciencialização e educação ambiental.

Assuntos Ambiente  

Leia também
  • 03/11/2018 19:29:58

    Previsão do Tempo em Angola

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) prevê, até às 18h00 de domingo (4), para a zona Norte, a ocorrência de chuva moderada, podendo ser localmente forte, por vezes, acompanhada de trovoada, em alguns municípios de Cabinda Uíge, Malanje, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Lunda Norte e Lunda Sul.

  • 03/11/2018 15:31:58

    Estado do mar em Angola

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) antevê, até às 18h00 de domingo (4), uma circulação de Sudoeste fraca entre os paralelos 4ºS a 12ºS, sendo moderado do Sul, entre os paralelos 14ºS a 18ºS, sem aviso de ventos fortes, anunciando para as quatro zonas litorais, as seguintes condições climatéricas:

  • 31/10/2018 17:25:06

    Palestras sobre educação ambiental decorrem no Kilamba Kiaxi

    Luanda - Um ciclo de palestra sobre educação ambiental decorre desde a segunda quinzena deste mês no município do Kilamba Kiaxi, em Luanda, sob égide da Associação de Mulheres Ambientalistas (AMA), em parceria com a ong angolana Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA).

  • 31/10/2018 14:24:08

    Luanda acolhe formação sobre prevenção e estabilização de ravinas

    Luanda - Uma formação sobre prevenção, controlo e estabilização de ravinas realiza-se de 5 a 10 de Novembro, em Luanda, numa iniciativa do Centro de Formação Profissional Vias do Bem Training e o Instituto Superior Politécnico Katangoji.