Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Angola Acontece

31 Março de 2017 | 12h47 - Actualizado em 31 Março de 2017 | 12h53

Crescimento do Longonjo devolve esperança à população

Huambo - Os sinais de crescimento económico e social do município do Longonjo, 64 quilómetros a Oeste da capital da província do Huambo, fruto dos 15 anos de paz, estão a devolver a esperança à população, transformando-se num lugar seguro e de confiança para o investimento público-privado.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huambo: Terraplagem das estradas do Longonjo

Foto: Eurico Brito

Huambo: Entrega de casas à juventude no Longonjo

Foto: EDILSON DOMINGOS

(Por Aurélio Janeiro)

Pela vila municipal, passa um importante itinerário rodoviário nacional, que liga as províncias do Huambo, Benguela e Huíla, além de possuir uma estação de comboio dos Caminhos-de-Ferro de Benguela, cujo impacto se tem repercutido no surgimento de novos estabelecimentos comerciais e na geração de recentes postos de trabalho, indispensáveis para a melhoria da qualidade de vida da população.

A construção de diversas infra-estruturas económicas e sociais não deixa dúvidas do ressurgimento do Longonjo, nome de origem Umbundu  “ongondjo”  (casca de tronco). Os sectores da Habitação, Saúde, Educação, Energia e Águas, Agricultura e Comércio tomam dianteira neste processo.

Em entrevista à Angop, o administrador do Longonjo, João Raul, informou que, no sector da Indústria, os maiores expoentes são as fábricas de águas do Lépi e a produção de adubos orgânicos, enquanto no Comércio estão licenciados 93 estabelecimentos.

O responsável afirmou que o sector hoteleiro não quer ver a “caravana passar”, por isso, duas unidades hoteleiras e 20 locais turísticos oferecem conforto às centenas de visitantes da circunscrição, para além de 75 monumentos e sítios.

Quanto ao sector agrícola, João Raul frisou que os campos de batalha deram lugar a imensos hectares de cultivo e, em virtude disso, os munícipes fazem o que melhor sabem: trabalhar com abnegação a terra, para prover a auto-suficiência alimentar.

Actualmente, são cultivados 18 mil e 265 hectares de milho, seis mil e 878 de feijão, 265 de soja, dois mil e 652 de amendoim, três mil e 424 de batata-rena, 690 de batata-doce e dois e 634 de hortícolas diversas.

A produção é desenvolvida em 18 fazendas cadastradas, com o envolvimento de 59 associações de camponeses, num universo de três mil  e 428 associados que  cultivam milho, feijão, batatas rena e doce, soja, amendoim e hortícolas.

João Raul fez saber que o apoio prestado pelo Governo às famílias camponesas, através da entrega de gado bovino e charruas, está a facilitar a prática da agricultura, com a ajuda da tracção animal, em detrimento da manual, aumentando, por via disso, a média de terras cultivadas por família de 1,8 hectares para 2,5 por ano agrícola.

Longonjo também é auto-suficiente na produção de carne, em virtude do crescimento da pecuária, prova disso são controladas, no município, 26 mil 341 cabeças de gado bovino, 14 mil 362 de caprino, sete mil e 76 de suíno e 56.756 mil aves.

Neste sentido, o administrador perspectiva o aumento do potencial produtivo e logístico do município e valoriza, deste modo, a capacidade agro-pecuária, vocacionada para o mercado, para impulsionar a cadeia de valor agro-industrial, visando a redução das importações e a dinamização do emprego e do empreendedorismo.

Como acontece noutras paragens do país, o sector social também deu saltos importantes, de acordo com o gestor municipal, pois a Educação contínua a crescer de ano em ano, possuindo, actualmente, 92 escolas, 85 do ensino primário, seis do I ciclo e uma do II ciclo do ensino secundário, num total de 624 salas de aula.

As escolas acomodam 28.301 alunos, dos quais 23 mil 382 no ensino primário, três mil e 588 no I ciclo e 1.330 no II ciclo do ensino secundário. O sector controla mil e quatro trabalhadores, 977 dos quais professores.

Com o alcance da paz, encurtaram-se as distâncias percorridas pela população local, em busca de cuidados médicos, uma vez que a região passou a ter 12 unidades sanitárias, entre as quais um hospital municipal, com 24 camas. A unidade oferece serviços de medicina, pediatria, raio-X, análises clínicas, nutrição, pequena cirurgia, banco de urgência, hemoterapia, farmácia e morgue.

Do património sanitário da municipalidade, consta, igualmente, um centro materno-infantil, com 24 camas, onde os utentes podem ter atendimento nas áreas de consultas pré-natais, ginecologia, puericultura, farmácia, serviços de vacina e sala de partos. 

Duzentos e 18 quadros,  entre médicos, enfermeiros e técnicos de laboratórios, garantem a assistência técnica.

A água e a energia eléctrica também são uma realidade na vida das pessoas; a vila municipal e as comunas estão totalmente iluminadas, para além do acesso ao produto de 500 residências.

Quanto ao abastecimento de água, o sistema de tratamento e distribuição da vila municipal está a beneficiar de obras de reabilitação desde captação, conduta adutora aos reservatórios de distribuição.

Nas demais comunas, o responsável explicou que as mesmas beneficiaram, nos últimos cincos anos, de sistemas de captação e distribuição por gravidade, além da instalação de 220 manivelas e 13 pequenos sistemas de águas, no quadro do programa “Água para Todos”.

Na vertente das obras públicas, o administrador do Longonjo declarou terem sido terraplanados 243 quilómetros de estradas secundárias e terciárias, bem como construídas 20 pontes, de modo a facilitar as trocas comerciais entre o campo e a cidade.

João Raul revelou que a administração prevê, igualmente, a construção de mais pontes e pontecos, para facilitar o acesso às aldeias e zonas de produção, acompanhada da reabilitação de estradas secundárias e terciárias.

Breve historial do município

A povoação do Longonjo, actualmente vila com o mesmo nome, foi fundada a 28 de Maio de 1918, com a implementação da primeira casa comercial de pau-a-pique, pelo português Adriano Lourenço Maia.

Segundo a história, o nome Longonjo (palavra de origem Umbundu) constitui o plural da expressão “ongondjo”, casca de tronco em Português, usada antigamente para o transporte de mercadorias, com realce para brita e outros objectos, para a construção dos Caminhos-de-Ferro de Benguela e da estrada.

Daí em diante, fruto da construção de novas infra-estruturas comerciais, sociais e industriais, a localidade ascendeu, a 7 de Outubro de 1963, à categoria de Administração do Conselho, pela portaria n.º 12.925.

Com uma extensão territorial de 2.915 quilómetros quadros, o município do Longonjo possui uma população estimada em 92.103 habitantes, distribuídos nas comunas do Lépi, Catabola, Chilata e na vila municipal.

Com clima tropical húmido e com duas estações - chuvosa, a mais longa, com duração de sete meses, e seca, com cinco - possui, entre outros recursos naturais, fosfato, cobre, manganês e ouro, conforme estudos da Direcção Provincial da Indústria, Geologia e Minas.

É limitado a Leste pelo município da Caála, a Oeste pelo município do Ucuma, a Norte pelo município do Ecunha, ambos na província do Huambo, e a Sul pela Huíla.

Leia também
  • 24/01/2017 17:01:40

    Huíla: Cresce interesse empresarial pela criação de peixe em cativeiro

    Lubango - A criação de peixe em cativeiro na província da Huíla começa por dar passos significativos, o que poderá contribuir para a diversificação da economia local, para o combate à fome e à pobreza e para a geração de empregos directos e indirectos.

  • 21/12/2016 08:46:52

    Pólo Industrial da Caála - pronto para diversificar economia

    Huambo - A província do Huambo era o segundo parque industrial do país, seguindo o de Luanda, na época colonial, quando ainda se chamava ?Nova Lisboa?. Nesta região, produzia-se quase tudo, desde calçados, cerveja, refrigerante, bem como havia fábricas de transformação dos imputes agrícolas.

  • 21/12/2016 08:00:15

    Bié, Huambo e Cuando Cubango presentes na agricultura e indústria

    Cuito - As províncias do Bié, Huambo e Cuando Cubango, situadas no Centro e Leste do país, estão em ascensão, relativamente à produção agrícola e industrial. O engajamento na actividade agrícola é mais evidente nestas regiões do país.