Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ciência e Tecnologia

23 Janeiro de 2018 | 11h14 - Actualizado em 23 Janeiro de 2018 | 11h13

Serviços do cabo submarino WACS parcialmente paralisados para manutenção

Luanda - Os serviços do WACS (West AfricaCableSystem), sistema de cabos submarinos de fibra óptica instalado ao longo da costa ocidental africana, que liga 11 países africanos e três europeus, estarão parcialmente paralisados hoje (terça-feira) para trabalhos de manutenção.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pormenor do centro de amarração do cabo de fibra óptica da Angola Cable.

Foto: Clemente Santos

De acordo com uma nota da Angola Cables a que a Angop teve hoje acesso, os trabalhos vão durar meio-dia, e a quebra de sinal será mais sentida principalmente em Angola e na República Democrática do Congo (RDC).

O WACS liga a Cidade do Cabo (África do Sul) e Londres (Reino Unido), e enquanto decorrerem os trabalhos serão registadas algumas restrições nos serviços que rolam nesse sistema, prestados aos mercados angolano e congolês democrático, principais afectados por essas limitações.

Segundo o presidente do Conselho Executivo da Angola Cables, António Nunes, citado no documento, “este tipo de manutenções correctivas e preventivas são comuns, sempre que necessárias para manter operacionais os sistemas e com as melhores prestações.

Nesse caso, acrescentou, essa intervenção correctiva será efectuada na RDC, o que vai exigir uma paralisação parcial de alguns serviços, que será notada sobretudo em Angola e na RDC.

“ Está na recta final o processo de instalação do SACS, primeira ligação directa entre o continente africano e o sul-americano, que vai ligar-se posteriormente ao Monet, sistema que liga o Brasil aos Estados Unidos da América. Quando essa infra-estrutura estiver concluída e operacional, teremos mais redes redundantes, o que vai permitir que as acções de manutenção sejam efectuadas sem afectar a disponibilidade dos serviços existentes nos circuitos da Angola Cables”, explicou.

A Angola Cables é uma multinacional angolana de telecomunicações fundada em 2009, que actua no mercado grossista, cujo negócio é a venda de capacidade de transmissão internacional através de cabos submarinos de fibra óptica e IP transito.

O SACS, Monet e WACS, são os três sistemas de cabo submarinos operados pela Angola Cables, que interligam quatro continentes (América do Sul, América do Norte, África e Europa).

Assuntos Telecomunicações  

Leia também
  • 02/10/2018 16:28:21

    Angola implementa roaming doméstico no futuro

    Luanda - Angola prevê implementar o roaming doméstico para acabar com a quebra de rede de telefonia e permitir a sua partilha entre as operadoras do sistema - informou hoje, em Luanda, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha.

  • 28/09/2018 12:44:34

    Cabo do Sul do Atlântico opera com 40 terabytes por segundo

    Luanda - O Sistema de Cabos Submarinos do Sul do Atlântico (SACS) entrou oficialmente em funcionamento quinta-feira com uma capacidade de 40 terabytes por segundo, ligando Luanda e Fortaleza (Brasil) cinco vezes mais rápido do que as rotas existentes.

  • 20/09/2018 12:46:31

    Cortes limitam trâfego no cabo submarino da Angola Cables

    Luanda - O cabo submarino de fibra óptica do sistema WACS da Angola Cables sofreu dois cortes totais, o que causou a limitação da capacidade de tráfego, aumento de latência e perdas no pacote dos serviços prestados.

  • 07/08/2018 17:50:43

    Reconhecido papel da CRASA na criação de valências

    Luanda - O papel da Associação dos Reguladores de Comunicações da África Austral (CRASA) na criação de valências que visam auxiliar as operadoras de serviços de comunicações electrónicas e correios foi reconhecido segunda-feira pela administradora do Instituto Angolano das Comunicações, Luísa de Freitas Augusto.