Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ciência e Tecnologia

23 Janeiro de 2018 | 11h14 - Actualizado em 23 Janeiro de 2018 | 11h13

Serviços do cabo submarino WACS parcialmente paralisados para manutenção

Luanda - Os serviços do WACS (West AfricaCableSystem), sistema de cabos submarinos de fibra óptica instalado ao longo da costa ocidental africana, que liga 11 países africanos e três europeus, estarão parcialmente paralisados hoje (terça-feira) para trabalhos de manutenção.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pormenor do centro de amarração do cabo de fibra óptica da Angola Cable.

Foto: Clemente Santos

De acordo com uma nota da Angola Cables a que a Angop teve hoje acesso, os trabalhos vão durar meio-dia, e a quebra de sinal será mais sentida principalmente em Angola e na República Democrática do Congo (RDC).

O WACS liga a Cidade do Cabo (África do Sul) e Londres (Reino Unido), e enquanto decorrerem os trabalhos serão registadas algumas restrições nos serviços que rolam nesse sistema, prestados aos mercados angolano e congolês democrático, principais afectados por essas limitações.

Segundo o presidente do Conselho Executivo da Angola Cables, António Nunes, citado no documento, “este tipo de manutenções correctivas e preventivas são comuns, sempre que necessárias para manter operacionais os sistemas e com as melhores prestações.

Nesse caso, acrescentou, essa intervenção correctiva será efectuada na RDC, o que vai exigir uma paralisação parcial de alguns serviços, que será notada sobretudo em Angola e na RDC.

“ Está na recta final o processo de instalação do SACS, primeira ligação directa entre o continente africano e o sul-americano, que vai ligar-se posteriormente ao Monet, sistema que liga o Brasil aos Estados Unidos da América. Quando essa infra-estrutura estiver concluída e operacional, teremos mais redes redundantes, o que vai permitir que as acções de manutenção sejam efectuadas sem afectar a disponibilidade dos serviços existentes nos circuitos da Angola Cables”, explicou.

A Angola Cables é uma multinacional angolana de telecomunicações fundada em 2009, que actua no mercado grossista, cujo negócio é a venda de capacidade de transmissão internacional através de cabos submarinos de fibra óptica e IP transito.

O SACS, Monet e WACS, são os três sistemas de cabo submarinos operados pela Angola Cables, que interligam quatro continentes (América do Sul, América do Norte, África e Europa).

Assuntos Telecomunicações  

Leia também
  • 13/11/2018 18:27:29

    SACS eleva importância de Angola no mercado de telecomunicações

    Luanda - O Sistema de Cabos Submarinos do Sul do Atlântico (SACS), da multinacional angolana de telecomunicações, Angola Cables, está em destaque, desde hoje, no maior evento de telecomunicações ao nível do continente africano, o Africacom 2018, a decorrer na Cidade do Cabo, África do Sul, até ao dia 15 deste mês.

  • 02/10/2018 16:28:21

    Angola implementa roaming doméstico no futuro

    Luanda - Angola prevê implementar o roaming doméstico para acabar com a quebra de rede de telefonia e permitir a sua partilha entre as operadoras do sistema - informou hoje, em Luanda, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha.

  • 28/09/2018 12:44:34

    Cabo do Sul do Atlântico opera com 40 terabytes por segundo

    Luanda - O Sistema de Cabos Submarinos do Sul do Atlântico (SACS) entrou oficialmente em funcionamento quinta-feira com uma capacidade de 40 terabytes por segundo, ligando Luanda e Fortaleza (Brasil) cinco vezes mais rápido do que as rotas existentes.

  • 20/09/2018 12:46:31

    Cortes limitam trâfego no cabo submarino da Angola Cables

    Luanda - O cabo submarino de fibra óptica do sistema WACS da Angola Cables sofreu dois cortes totais, o que causou a limitação da capacidade de tráfego, aumento de latência e perdas no pacote dos serviços prestados.