Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

15 Novembro de 2002 | 09h52

-

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Avançado do Petro de Luanda, Flávio Amado foi o melhor marcador do Girabola 2002

Foto: Foto: Angop

Luanda, 15/11 - O avançado do Petro de Luanda, Flávio Amado,melhor marcador do campeonato nacional de futebol da Iª divisão "Girabola-2002", com 16 golos, considerou hoje em Luanda, que foi difícil marcar golos na prova.

Em entrevista à Angop, o "artilheiro" que terminou com o mesmo número de tentos que Loló (1º de Agosto), superando-o apenas por ter feito menos jogos, apontou diversas razões que estiveram na base deste facto.

"Foi mais difícil marcar golos nesta temporada que na anterior, tendo em conta a saída do clube de jogadores de grande valor", explicou referindo-se Mbiavanga, Avelino Lopes, Gilberto e Gui, que faziam parte do onze inicial.

"Este ano joguei muito com a lesão e tive a suspensão de quatro jogos. Acredito que foi mais difícil em comparação a época transacta", realçou.

Segundo Flávio da Silva Amado, o Petro de Luanda tinha uma equipa espectacular em 2001, que, para ele, foi uma das melhores desde que iniciou a sua carreira em 1996.

O avançado foi o melhor "artilheiro" do "Girabola-2001", com 23 golos e também da liga dos clubes campeões Africanos, em que o Petro atingiu pela primeira vez as meias-finais.

"O técnico que tínhamos (D`Jalma Cavalcanti), motivava muito e o trabalho efectuado, principalmente as partidas realizadas, caracterizava a minha forma de jogar", referiu.

De acordo com o dianteiro, a saída do técnico D?Jalma Cavalcanti e dos jogadores mencionados pesou muito esta temporada e é um dos motivos da perda do "Girabola-2002" e também do afastamento prematuro na pré-eliminatória da Taça dos Clubes Campeões de África.

"Foi um desastre, não querendo menosprezar a equipa adversária, que nos eliminou", sublinhou prometendo trabalhar mais e melhor na próxima participação.

O ponta-de-lança de 22 anos de idade, que antes de fazer parte da equipa principal do Petro de Luanda (2000), esteve emprestado durante duas épocas, respectivamente as formações do Ara da Gabela e Académica do Lobito, esclareceu a sua actuação na selecção nacional de honras, em que não tem sido feliz em termos de golos.

"Acredito que é uma questão de oportunidade e de confiança, que a equipa técnica e o próprio público não deposita em mim", indicou.

Defendeu que no Petro de Luanda tem merecido a confiança da direcção, equipa técnica e dos adeptos do clube, daí que faz os golos que marca.

O jogador que ainda tem contrato como Petro não descartou apossibilidade de ingressar noutro clube, caso o pretendente contactar a direcção da equipa.

O atacante mantém o "velho" sonho de qualquer futebolista do "Girabola", que é de alcançar o profissionalismo.

"O meu sonho é jogar ao lado dos melhores jogadores do mundo, que actuam nas equipas do Real Madrid (Espanha), AC Milan e do Inter de Milão da Itália", apontou.

Mas, não é só isso que Flávio Amado pretende, já que também almeja ser campeão Africano de clubes.

"Claro que sonho ser campeão Africano de clubes, mas para obter isso é preciso chegar à final desta competição. Mas, acho que é uma ambição de qualquer jogador, até porque quando entramos em campo o objectivo é ganhar", rematou.

Para a próxima temporada promete trabalhar com humildadee com único objectivo de ajudar o Petro de Luanda a conquistar o campeonato nacional, que perderam este ano.