Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

05 Março de 2008 | 00h44

Basquetebol: Cipriano lidera `militares` na reconquista da Supertaça

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Olímpio Cipriano tenta com a bola passar pelo seu adversário

Foto: Foto Angop

Luanda, 05/03 – O extremo do 1º de Agosto Olímpio Cipriano liderou a sua equipa na conquista do primeiro troféu da época basquetebolística 2008, ao totalizar 23 pontos, um ressalto defensivo e duas assistências durante os 35 minutos e 12 segundos em que esteve em campo na final da Supertaça "Wladmiro Romero", diante do “arqui-rival”, Petro de Luanda.

Numa noite de espectáculo e "imprópria para cardíacos", o atleta foi o melhor "cestinha" na vitória do clube por 71-69. O 1º de Agosto reconquistou o troféu, elevando para oito o número de supertaças ganhas.

Cipriano, Lutonda (12 pontos, dois ressaltos defensivos e uma assistência) e Carlos Almeida (sete pontos, dos quais o triplo decisivo a oito segundos do final, quatro ressaltos – sendo um ofensivo – e uma assistência) chamaram a si, no quarto período, toda a responsabilidade e experiência, com triplos e algumas finalizações acrobáticas que permitiram a reviravolta, após a sua equipa estar quase todo o jogo em desvantagem.

Apesar da boa actuação, o melhor marcador da partida foi “obrigado” a abandonar a quadra a dois minutos do término do encontro devido a uma lesão no pé direito, cedendo lugar a Carlos Almeida, que viria a protagonizar o “lance da noite”.

Os “petrolíferos”, comandados por Carlos Morais (suspenso a dois minutos do final com 19 minutos e 13 segundos, 22 pontos, sete ressaltos – dois ofensivos – e uma assistência), nem por isso realizaram má partida, sendo que quase “asfixiavam” o adversário nos três períodos.

Mais bem organizado na defesa, eficaz no jogo exterior e com algum espectáculo à mistura (realce para três “smash” de Victor Muzadi), os “tricolores” dominaram os dois quartos inicias com os parciais de (20-19) e (39-30) e empataram o terceiro por 53-53, tendo a maior diferença atingindo os 13 pontos a três minutos do intervalo.

O conjunto do “eixo-viário” superiorizou-se nos lançamentos de campo, onde converteu 15 em 24 tentados (62, 5 porcento), contra 14 em 26 do adversário (53,8) e apenas no último quarto claudicou, deixando escapar por três vezes a oportunidade de vencer.

A menos de quatro minutos do fim, o Petro esteve à frente com os resultados (63-61), (67-66) e (69-68), mas, só pode se queixar de si próprio, falhou lances decisivos e perdeu bolas, inclusive na sua tabela, as quais foram aproveitadas pelo adversário que aos poucos ia invertendo a história do jogo, num pavilhão com mais de quatro mil e quinhentos espectadores (tem capacidade para seis mil e 200).

A final da Supertaça repetiu-se terça-feira face à interrupção do jogo de sábado devido à chuva que atingiu o piso do pavilhão.

A competição disputa-se desde 1993 e a Federação Angolana de Basquetebol instituiu o nome de Wladmiro Romero em 2000, em homenagem ao antigo treinador do Petro de Luanda, e da selecção nacional, falecido nesse mesmo ano por acidente de viação, na capital do país.

O Petro conquistou por cinco vezes o trofeu e o ASA três.