Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

14 Janeiro de 2013 | 23h24 - Actualizado em 14 Janeiro de 2013 | 23h24

Voleibol regressa às competições africanas

Retrospectiva2012

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda - O regresso às competições africanas de clubes, 15 anos depois, e a ausência nos Jogos Olímpicos de Londres marcaram o voleibol angolano no ano de 2012.

Após afastamento forçado, a equipa do 1º de Agosto venceu o Zonal VI (SADC), em Windhoek (Namíbia), que lhe possibilitou a qualificação a fase final da Taça de África dos Clubes Campeões, em Abril, na Tunísia.

Assim, os "militares" fazem o retorno a prova continental onde estiveram ausentes por opção das suas anteriores direcções.

A actual direcção do clube presidida por Carlos Hendrick, como forma de incentivo aos jogadores pela hegemonia no voleibol angolano, proporcionou o regresso da equipa às provas sob égide da Confederação Africana de Voleibol.

O campeão angolano, agora treinada por Zé Maria, em substituição do veterano Hernani Bastos, a última vez em que participou foi em 1996, na Costa do Marfim, com Gustavo Cruz no comando técnico. A equipa angolana teve uma participação para esquecer na Taça de Clubes, ficando na primeira eliminatória. 

Participaram na Taça de Clubes, em Tunis, 20 equipas divididas em três grupos: Sfaxien (Tunísia), 1 º de Agosto (Angola), Kwatlano (Botswana), Zamalek (Egipto), Chlef (Argélia), Al Ahly (Egipto), Muzinga (Burundi), Al Ahly Benghazi (Líbia), FAP (Camarões), Borj Bouarj (Argélia), Defense (Etiópia), Al Nahda (Sudão), VC Police (RDC), Mohamedia (Marrocos), APR (Rwanda), Cement (Etiópia), Port Douala (Camarões), GSU (Quénia), Manga Sport (Gabão) e Al Ahly de Tripoli (Líbia).

Além deste feito, ainda a conquista das medalhas de prata e bronze nos Jogos Africanos de Maputo, pelo par Éden/Márcio, e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Portugal, por António Macaca e Fábio Figueiredo, no voleibol de praia.

Quanto ao “sonho” de olímpico, as duplas angolanas de voleibol de praia Morais/Magu e Éden/Márcio foram incapazes de qualificar pela segunda vez o país, ao perderem no torneio pré-olímpico de Moscovo, na Rússia. No evento estiveram duplas de 12 países divididos em grupos de seis cada, qualificando-se para Londres apenas as duas finalistas.

Angola já havia falhadp a qualificação por via do continente africano ao baquear diante da dupla sul-africana Chiya / Goldschmitd, dia 16 de Abril na Copa Continental de Voleibol de Praia, disputada nas Ilhas Maurícias.

A primeira participação de uma dupla nacional em jogos olímpicos aconteceu em 2008 em Pequim (China) com o par Manucho/Morais em que ficaram nas preliminares ao consentir derrota frente aos brasileiros Ricardo e Emanuel, por dois sets a zero.

A nível interno, as actividades desportivas programadas pela direcção da Federação Angolana de Voleibol (FAVB) foram cumpridas quase na totalidade.

O elenco, na altura liderado por António Justino realizou todas as competições nacionais juvenis, juniores e seniores nas duas classes, com excepção de duas etapas do circuito de voleibol de praia.

Outra nota de realce na época finda foi o feito inédito conquistado pelo Petro de Luanda, no nacional feminino de voleibol, pondo fim ao reinado de 20 anos do 1º de Agosto.

No aspecto administrativo, com propósito principal de massificar e estender a modalidade a todo o país, os novos órgãos sociais da FAVB tomaram posse em Novembro, em Luanda, para o quadriénio 2012/2016.

Eleito no dia 20 de Outubro, com um total de 64,7 porcento de votos, o elenco tem como presidente de direcção Valentim Domingos, que substitui António Justino, que depois de dois mandatos passa a exercer o cargo de vice-presidente para relações internacionais.

O actual mandatário da FAVB que também já foi vice-presidente na direcção anterior, conta com o jornalista Manuel da Silva, presidente da Mesa da Assembleia-geral, Joaquim de Oliveira, vice-presidente, e Nelson Miguel, secretário.

A direcção da federação tem ainda Cláudia Cruz, na vice-presidência, enquanto José Monteiro é o secretário-geral, e Alda da Silva, e Jorgina Abraão, são vogais.

Completam a lista os membros do Conselho Fiscal, Idalina Francisco, presidente, Maria Imaculada, secretária, e Carlos Sobrinho, vogal. Fazem parte do Conselho Jurisdicional, César Pedro (presidente), Patrícia Adão (secretária) e Rosalina de Almeida (vogal).

O Conselho de Disciplina é composto por Ilídia Ferreira (presidente), Filomena Tavares (secretária). No Conselho Técnico foram eleitos Morais Abreu, Pedro Agostinho (secretário) e Justino Mendes (vogal). No Conselho de arbitragem, Albertino Fonseca (presidente) e Martins Completo (secretário).