Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

07 Fevereiro de 2017 | 17h45 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2017 | 17h49

Futebol/Girabola: 1º de Maio do "inferno" ao céu em apenas 3 meses

Benguela - Graças à desistência do Benfica de Luanda, o drama do histórico 1º de Maio de Benguela de deambular na segunda divisão no futebol angolano apenas durou três meses e, com isso, regressa ao Girabola 2017.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Equipa do 1º de Maio

Foto: Antonio Escrivao

(Por José Honório)

A 23 de Outubro último – precisamente a duas jornadas do fim do Girabola 2016 -, o Maio perdia em casa diante da Académica do Lobito, por 0-1, e selava a descida à segunda divisão, mas nunca na história o clube esperava que essa derrocada no panorama futebolístico angolano terminaria três meses depois.

E tudo isso porque a formação de Benguela recebeu uma “boa-nova” no dia 25 de Janeiro deste ano. Com a desistência das “Águias” da capital, o 1º de Maio garantiu vaga na disputa de uma liguilha ao lado do Porcelana do Cuanza Norte, Domant do Bengo, Sporting de Cabinda e 4 de Abril do Cuando Cuando.

Dentre as cinco equipas notificadas pela FAF (Federação Angolana de Futebol), o Maio foi a única a responder imediata e favoravelmente à solicitação daquele organismo e, assim, fará parte do Girabola 2017, dada a indisponibilidade das restantes para o torneio.

Todavia, a colecção de fracassos das últimas épocas, cujo caso mais recente é a despromoção da primeira divisão em 2016, com 29 pontos em 30 jogos (7 vitórias, 8 empates e 15 derrotas – com saldo de 24 golos marcados e 44 sofridos) – além também das descidas em 2011 e 2014, fez o combinado perder a confiança dos adeptos.

Mas, como o futebol é uma caixinha de surpresas, haverá sempre quem acredite ser possível começar a reverter o quadro, a partir de uma boa participação no campeonato nacional de futebol da primeira divisão de 2017, onde a missão principal é o resgate do prestígio da equipa “proletária”.

Para dar início a esse processo de resgate da mística e reconquistar a simpatia dos seus “torcedores”, o emblemático clube da quadricentenária cidade de Benguela tem à disposição – pelo menos por enquanto, 27 jogadores aprovados pelo treinador Hélder Teixeira.

Destes, 16 são reforços e o destaque vai para o médio Negra, do Real Sport Lisboa (Portugal). Realce também para a promoção ao escalão sénior de três atletas, nomeadamente o defesa-direito Graciano, o médio-centro Gaúcho e o médio-direito Etó, todos na faixa etária dos 20 anos.

Desde a estreia no Girabola, em 1980, já vestiram a camisola do 1º de Maio de Benguela várias vedetas do futebol angolano como Mário Luvambo, Fusso Nkosi, Maluca, Kiala, Sarmento Seque, Nelson, Tadeu e Paulão.

A seguir a Luanda, a província mais titulada na primeira divisão, com o Petro de Luanda a liderar o ranking, o 1º de Maio, fundado a 1 de Abril de 1980, a partir da fusão do Estrela Vermelha de Benguela e do Grupo Desportivo 1º de Maio, é o clube local com o maior número de troféus em competições internas.

Os entusiastas Fonseca Santos, Rui Araújo, Victor Valente, Lourenço Correia, Yuca Gregório e Pascoal Luvalo viram seus nomes entrar para história do futebol como fundadores do Estrela Clube 1º de Maio de Benguela, uma designação que viria, porém, a substituir a África Têxtil 1º de Maio de Benguela.

Este ano, o caminho do 1º de Maio - no Girabola e na Taça de Angola -  antevê-se difícil. Mas um clube tão tradicional como este vai querer construir uma nova história, com muito trabalho e rigor para o alcance dos objectivos de uma direcção que mescla juventude e veterania, e que espera erguer dentro de campo o “troféu da permanência”.

Para a sobrevivência na presente temporada, a empresa angolana Crisgunza continua a ter um papel destacável ao patrocinar oficialmente a equipa, à semelhança do que já fez no ano passado. Nas camisolas de cor vermelha e nos calções brancos do 1º de Maio, é o logotipo deste grupo empresarial que sobressai.

E, para que não haja margem para dúvidas em relação à grandeza desta agremiação benguelense na arena futebolística nacional, basta olhar atentamente para o Palmarés de futebol:

Campeonato Nacional da I Divisão/Girabola – 2 Títulos (1983/1985)

Taça de Angola – 3 Títulos (1982/1983 e 2007)

Supertaça – 2 Títulos (1984/1986)

Taça dos Clubes Campeões Africanos – finalista vencido pelo Bendel Insurance da Nigéria (1994)

E, nesse contexto, para a missão que começa a 11 de Fevereiro com a recepção ao Recreativo da Caála para a primeira jornada do Girabola, o 1º de Maio de Benguela conta com o seguinte Plantel:

Nº 1 – José dos Santos Fernando “Fany” (Guarda-redes) – 26 anos- clube anterior: Académica do Lobito.

Nº 30 – Jorge Honesimo Miguel “Rui” (Guarda-redes) – 20 anos, clube anterior: Atlético Sport Aviação (ASA).

Nº 22 – Faustino Sapalo A. Jonas “Tino” (Guarda-redes) – 24 anos, clube de proveniência: Académica Petróleos do Lobito.

Nº 5 – Edson da Graça C. Praia  “Edson” (Defesa central) – 28 anos, transita da época passada.

Nº 21 – João Sanda Pedro “Yeyé” (Defesa central) – 28 anos, transita da época passada.

Nº 14 – Pedro José Oliveira Gonga “Oliveira” (Defesa central) – 25 anos, clube anterior: Grupo Desportivo Jackson Garcia.

Nº 16 – Babacar Fall “Babacar” (Defesa central) - 31 anos, clube anterior: Atlético Sport Aviação (ASA).

Nº 2 – Luís Domingos Canganjo “Brazuca” (Defesa direito) – 27 anos, clube de proveniência: Recreativo da Caála.

Nº 18 – Graciano C. Quintas “Graciano” (Defesa direito) – 20 anos, local de formação – 1º de Maio de Benguela.

Nº 15 – Marcolino C. Chiteculo “Dinho” (Defesa esquerdo) – 31 anos, clube anterior: Grupo Desportivo Jackson Garcia.

Nº 24 – Manuel Jacinto Domingos “Lara” (Defesa esquerdo) – 25 anos, clube proveniente: Porcelana F.C.

Nº 4 – Simão Costa Bartolomeu “Bugo Jazz” (Médio centro) – 26 anos, transita da época passada.

Nº 8 – Juremo Filipe Gonçalves “Negra” (Médio centro) – 26 anos, clube anterior: Real Sport Lisboa-Portugal.

Nº 6- Walter I. Vieira “Brazuca” (Médio centro) – 29 anos, clube anterior: Progresso do Sambizanga.

Nº 25 – Camuyela D. Canjunga “Pakessa” (Médio volante) – 24 anos, clube anterior: Atlético do Namibe.

Nº 26 - Marcelino K. Kapata “Gaúcho” (Médio centro) – 20 anos, local de formação: 1º de Maio de Benguela.

Nº 23 – Gildo Paulo Bunga “Djemba” (Médio volante) – 31 anos, clube anterior: Interclube de Angola.

Nº 9 – Paulo A. R. Camufingo “Fatite” (Médio volante) – 33 anos, clube anterior: clube anterior: Sagrada Esperança.

Nº 11 – Benedito C. Dumbo “Pedy” (Médio direito) – 23 anos, clube de proveniência: Desportivo da Huíla.

Nº 7 – Márcio Luvambo “Márcio” (Médio direito) – 26 anos, transita da época passada.

Nº 29 – Victorino G. Chiyonga “Maria Pia” (Médio direito) – 27 anos, transita da época anterior.

Nº 20 – Adolfo Ngangawe “Etó” (Médio esquerdo) – 20 anos, local de formação: 1º de Maio de Benguela.

Nº 28 – Sebastião S. Almeida “Kandú” (Médio esquerdo) – 25 anos, clube anterior: F.C., 4 de Abril do Cuando Cubango.

Nº 3 – João Chingado Manha “Kaporay” (Ponta de lança) – 23 anos, transita da época passada.

Nº 19- Guilherme C. Lourenço “Jamba” (Ponta de lança) – 20 anos, transita da época passada.

Nº 17 – António Lucamba Pessela “Idú” (Ponta de lança) – 20 anos, clube anterior: Electro Clube do Lobito.

Nº 10 – Alexandre Mário “Alex” (Ponta de lança) – 23 anos, transita da época passada.

Corpo técnico:

Hélder Teixeira, 42 anos, técnico principal.

António Luís dos Santos Loio, 50 anos, técnico-adjunto principal.

António Brandão, 48 anos, técnico-adjunto.

Paulo Pedroso da Silva, 48 anos, técnico de guarda-redes.

João Melanchton, 59 anos, director para o Futebol.

Mário José Luvambo, 63 anos, chefe de Departamento do Futebol.

António Bento, 65 anos, médico.

Agostinho Soma, 52 anos, fisioterapeuta.

Hossi Manuel Moisés, 36 anos, seccionista.

Estádio que usa como anfitrião: Estádio Idelfrides Palhares da Costa “Miau”, vulgo Municipal de Benguela, com capacidade para mais de oito mil lugares.

Leia também