Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

28 Dezembro de 2018 | 10h55 - Actualizado em 28 Dezembro de 2018 | 10h47

Retrospectiva2018: Futebol volta a "brilhar"

Luanda - O futebol angolano conseguiu contrariar, em 2018, a tendência de fracassos que, nos últimos anos, fragilizavam a imagem dos clubes e da selecção nacional.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Jogadores da selecção de Angola festejam golo contra Botswana

Foto: Henri Celso

Liga dos campeõs africanos 2018: Jogador do 1º de Agosto, Geraldo, conduz a sua equipa para o ataque, enquanto que seus advesário tentam impedi-lo.

Foto: Antonio Escrivao

(Por Pascoal Bernardo)

Nos últimos 12 meses, os angolanos tiveram motivos para sorrir e voltaram a levantar alto a bandeira nacional nas Afrotaças e em outras provas continentais.

Na Liga dos Clubes Campeões de África, o 1º de Agosto protagonizou uma campanha ímpar, apesar de a arbitragem ter "negado" a passagem do clube à inédita final na prova.

Após a conquista do terceiro Girabola consecutivo, os rubro-negros" foram eliminados apenas nas meias-finais, pelo Esperance de Tunis, por culpa de uma arbitragem tendenciosa.

Na segunda "mão", após vitória caseira (1-0), o 1º de Agosto perdeu por 3-4, com o árbitro zambiano Janny Sikazwe a permitir acções violentas, gás lacrimogéneo, fogo-de-artifício e, inclusive, invasão à quadra de jogo por parte de enfurecidos adeptos.

Como que de consolo, Toni Cabaça foi eleito o melhor guarda-redes da prova, marcada pela suspensão do juiz Sikazwe, por parte da CAF, até conclusão de um inquérito.

Entretanto, um mês depois, na actual edição (2018/2019), o embaixador angolano foi incapaz de repetir a performance, tendo sido eliminado pelo desconhecido AS Otoho, do Congo Brazzaville, na pré-eliminatória de acesso à fase de grupos da "Champions".

Sorte diferente tem tido o Petro Atlético de Luanda na Taça da Confederação.

A um passo de atingir à fase de grupos, os "petrolíferos" esperam, na última eliminatória, o adversário que sairá dos afastados da Liga dos Campeões.  

Entretanto, nem tudo foi um "mar de rosas" para o futebol angolano em 2018.

A selecção principal falhou o objectivo no CHAN2018, no mês de Março, e na Taça Cosafa, na África do Sul (eliminados nos quartos-de-final em ambas ocasiões).

Com esses dois percalços, os Palancas Negras viraram as baterias para o CAN2019.

Angola ocupa a 2ª posição do grupo I, com nove pontos, menos três que a líder Mauritânia.

Precisa apenas de vencer o último jogo com o Botswana, em Março de 2019, para marcar a 8ª presença na prova, ainda sem palco, após a CAF retirar a organização aos Camarões, por atraso nas obras. O Egipto apresentou candidatura.

Os pupilos de Srdan Vasiljevic participaram, ainda este ano, no Torneio das Quatro Nações, na Zâmbia, onde ocuparam a terceira posição, em prova ganha pela África do Sul. O outro interveniente foi o Zimbabwe.

Ainda este ano, os sub-23 beneficiaram da desistência da Namíbia para se qualificarem à segunda eliminatória da corrida ao CAN do Egipto, em 2019.

Os olímpicos têm agora mais duas eliminatórias para tentarem o inédito, chegar ao africano da categoria, agora qualificativo aos Jogos Olímpicos. Na próxima etapa defrontam a África do Sul.

Já os sub-20, após falharem o apuramento ao CAN2019, a decorrer no Níger, conquistaram a medalha de bronze na Taça Cosafa e os sub-17 obtiveram a prata nos jogos da Região -5, terminados este mês no Botswana.

Entre altos e baixos, Angola conseguiu colocar um dos seus mais respeitados atletas da actualidade, Gelson Dala, na lista de candidato a futebolista africano do ano.

O internacional do Rio Ave, da primeira Liga Portuguesa, será um dos nomes em destaque na gala que acontecerá em Janeiro próximo, em Dakar (Senegal).

Deve disputar a "bola de ouro" com mais 33 jogadores, com realce para o egípcio Mohamed Salah (Liverpool), vencedor da edição de 2017.

Outro ponto alto do ano foi a transferência do extremo Geraldo, tricampeão pelo 1º de Agosto, para o Al Ahly do Egipto, com quem assinou contrato por quatro épocas e meia. Trata-se do quarto jogador angolano a representar este clube depois de Gilberto, Flávio e Avelino Lopes.

A nível internacional, o Mundial de futebol, disputado na Rússia, foi o principal evento desportivo do ano. Angola fez-se representar pelo árbitro assistente Jerson Emiliano, envolvido nos jogos Bélgica-Panamá, Japão-Polónia, França-Perú e Rússia-Croácia.

Assuntos Angola   Futebol  

Leia também