Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Fevereiro de 2007 | 20h32

Malanje: Província considerada referência obrigatória em matéria turística

Malanje

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Malanje, 22/02 - A província de Malanje (Centro Norte de Angola) foi hoje considerada como referência obrigatória em matéria prima turística nacional pelo ministro da Hotelaria e Turismo, Eduardo Chingunji, a julgar pela diversidade e originalidade do património turístico que ostenta.

O governante, que falava na cidade de Malanje por ocasião da entrega oficial do alvará comercial do hotel de "quatro estrelas" denominado "Palanca Negra" , justificou tal facto com a existência de vários pontos turísticos na região, com o destaque para "as pedras negras de Pungo-Andongo, o Parque Nacional de Cangandala, as quedas Calandula e e a palanca negra gigante (simbolo nacional)".

"Não se pode pronunciar sobre recursos turísticos de Angola, sem antes referenciar as pedras negras de Pungo-Andongo, o Parque Nacional de Cangandala (que alberga a palanca negra gigante), as famosas quedas de Calandula e a Palanca negra gigante" enafatizou o governante.

Segundo o governante, " a vocação natural e trurística do país, deve ser transformada numa fonte permante de riquezas, através da actividade turística", tendo em conta a criação de postos de trabalho, geração de receitas, assim como o equilíbrio da balança, pagamentos e desenvolvimento do território nacional.

"O turismo pela natureza das suas actividades e pela dinâmica do seu potencial crescimemto, é o segmento da economia naconal que pode satisfazer de forma rápida e sustentável os desafios actuais", sustentou o ministro.

A título de exemplo, Eduardo Chingunji, apontou como principais áreas de interesse para o turismo nacional, as quedas de Calandula (Malanje), as Cachoeiras do Cunge (Bié), a floresta do Maiombe (Cabinda), por estarem localizadas em zonas com uma alta taxa de desemprego, devido ao subdesenvolvimento das mesmas, tendo em conta que uma vez recuperadas, poderá criar postos de trabalho que visará melhorar o nível de vida da população.

Sustentou que deste modo o sector do turismo, estará a contribuir para o combate à pobreza no país, agilidade e rapidez do retorno do capital económico investido e a impossibilidade da substituição do capital humano na execussão dos serviços turísticos por máquinas.

Realçou que com a inauguração do Hotel Palanca, propriedade do grupo Mutombe, uma associação dos bancos "Sol" e de Comércio e Industria (BCI), "veio desmonstrar a capacidade criativa e espírito empreendedor dos angolanos para o crescimento rápido que "a actividadehoteleira está a conhecer em somente cinco anos de paz efectiva".

O titular da pasta da Hotelaria e Turismo enalteceu os esforços do governo de Malanje, por ter conseguido convencer duas empresas nacionais a investir no ramo hoteleiro.

Durante a sua estada de algumas horas na província, Eduardo Chingunji visitou as instalações do programa de reestruturação do sistema de logística e de distribuição de produtos essenciais à população (Presild), assim como as casas para técnicos do governo local, e algumas infra-estruturas escolares.

Presenciaram ao acto, o governador da província Cristovão da Cunha, o presidente do conselho de administração da Mutombe Coutinho Nobre Miguel, directores nacionais do Ministério da Hotelaria e Turismo, e técnicos do Banco Sol, entre outra entidades.

O hotel foi construído em um ano com o financiamento dos bancos "Sol" e do Comércioe Indústria (BCI), no valor de cinco milhões e 750 mil de dólares. A unidadepossui 38 quartos normais e duas suites, comporta com 54 camas, e ostenta uma sala de conferências, uma piscina bem como outras dependências.