Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

21 Abril de 2011 | 19h05 - Actualizado em 21 Abril de 2011 | 19h04

Angola vai conhecer novo modelo de comércio

Economia

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda - O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Carlos Feijó, afirmou quarta-feira,  em Luanda, que durante o primeiro trimestre do ano em curso, o ministério do Comércio concentrou as suas atenções na criação de condições materiais para o arranque do novo modelo de comércio interno e externo em Angola.


Ao falar durante a apresentação do balanço das actividades desenvolvidas pelo Executivo no primeiro trimestre do presente ano, explicou que o novo modelo a ser implementado no país significa um melhor acompanhamento da actividade comercial externa, melhor registo das importações e exportações, que permitam ter um conhecimento exacto do pulsar da economia angolana e das suas relações comerciais com o exterior.


Assim, afirmou, neste processo de reorganização, o Ministério do Comércio contratou serviços para a criação do aplicativo informático que lhe permitirá ter o registo de toda a actividade comercial, sobretudo com o exterior.


Em relação ao crédito à agricultura, referiu que “em termos comerciais, decidiu-se que só o crédito agrícola nos termos em que estava concebido não resolveria o problema, porque  poderia permitir a produção de produtos agrícolas,  mas não criaria  condições para que os empresários mas comerciais pudessem desenvolver a sua actividade”.


O risco que se corria era o de ter produção mas não ter comercialização, sublinhou Carlos Feijó.


Por este facto, adiantou, o Executivo decidiu que para além do crédito agrícola se deveria também cuidar do crédito comercial.


Neste âmbito, frisou, “foi actualizado o diploma sobre o crédito agrícola permitindo-lhe também o financiamento a quem vai desenvolver  a actividade de distribuição e comercialização”.